Wednesday, 12 December 2018

Climate Kid: UNICEF’s Platform for Preparedness


https://www.brainpickings.org/?s=climate

Climate Kid: UNICEF’s Platform for Preparedness

What evolutionary fantasies have to do with the future of practical education.

The true litmus test for the value of education is how well it equips us for navigating modern life. And while it might be an uncomfortable one, climate change is one of its increasingly urgent realities. Yet traditional education rarely equips kids with the essential lifeskills for dealing with the consequences of climate change, many of which will reach threatening proportions within the lifetimes of today’s youth. To address this, our friends at Do The Green Thing (remember them?) have teamed up with UNICEF to launch Climate Kid — a new platform for UNICEF’s work in helping children around the world adapt to climate change.




Though wonderfully animated and playful in tone, the short film raises the important question of how we adapt — biologically, maybe, but certainly socially — to a world changing before our eyes.
The effort is accompanied by a Twitter competition to win some lovely original artwork by talented independent illustrators who have developed their own interpretation of climate kid. To enter, simply tweet about what evolutionary enhancements you think a climate kid would need in the future, and hashtag it #climatekid.

NatGeo’s Great Migrations: Nature’s Most Epic Journeys


https://www.brainpickings.org/?s=migration

NatGeo’s Great Migrations: Nature’s Most Epic Journeys

For over three years, a tireless team of filmmakers, photographers and explorers traveled more than 420,000 miles in what became the most ambitious endeavor in National Geographic‘s 122-year history. Great Migrations is an epic, in the literal sense of the word, documentary miniseries that captures the remarkable journeys of animals as they travel unthinkable distances in great numbers but pursue their survival as a singular brain. Filmed by some of the world’s most acclaimed wildlife cinematographers, the series not only reveals the incredible synchronicity of nature but also bespeaks the tender fragility of a planet that hangs in precarious balance.
A magnificent companion book follows the sequence of the film in vivid color. The narrative is divided into three sections: “The Need for Speed” portrays migrations as a survival race against time; “The Need to Feed” unearths the ruthless cross-species confrontations that lurk beneath our idylic perception of peaceful green pastures; “Need to Lead” illuminates the fascinating hierarchical, military-like division of roles and resonsibilities in migrations; “The Need to Breed” explores the deadly risks animals face as they fight to ensure the propagation of the species’ genes.
Albatrosses
Pelicans
Zebras
Walruses
Pronghorns
The 7-hour HD epic is now out on DVD and Blu-Ray and is narrated by none other than Alec Baldwin.

Against the Illusion of Separateness: Pablo Neruda’s Beautiful and Humanistic Nobel Prize Acceptance Speech

https://www.brainpickings.org/?s=migration

Against the Illusion of Separateness: Pablo Neruda’s Beautiful and Humanistic Nobel Prize Acceptance Speech

“There is no insurmountable solitude. All paths lead to the same goal: to convey to others what we are. And we must pass through solitude and difficulty, isolation and silence in order to reach forth to the enchanted place where we can dance our clumsy dance…”

Against the Illusion of Separateness: Pablo Neruda’s Beautiful and Humanistic Nobel Prize Acceptance Speech
The great Chilean poet and diplomat Pablo Neruda (July 12, 1904–September 23, 1973) was only a small boy, just over the cusp of preconscious memory, when he had a revelation about why we make art. It seeded in him a lifelong devotion to literature as a supreme tool that “widens out the boundaries of our being, and unites all living things.”
Although his father discouraged his precocious literary aspirations, the young Neruda found a creative lifeline in the poet, educator, and diplomat Gabriela Mistral — the director of his hometown school. Mistral — who would later become the first Latin American woman awarded the Nobel Prize in Literature and Chilean consul in Madrid, a post in which Neruda would succeed her during his own diplomatic career — recognized and nurtured the boy’s uncommon talent. Fittingly, Neruda’s first published piece, written when he was only thirteen and printed in a local daily newspaper, was an essay titled “Enthusiasm and Perseverance.”
These twin threads ran through the length of his life, from his devoted diplomatic career to his soulful, sorrowful, yet buoyant poetry. His landmark collection Twenty Love Poems and a Song of Despair, composed before he turned twenty, is to this day the most widely read book of verse in Latin literature and contains some of the truest, most beautiful insight into the life of the heart humanity has ever committed to words.
Pablo Neruda as a young man
By the time he was awarded the Nobel Prize in Literature less than two years before his death, Neruda had become an icon. Gabriel García Márquez, whose own subsequent Nobel Prize acceptance speech echoed Neruda’s humanistic ideals, considered him “the greatest poet of the twentieth century in any language.”
On December 13, 1971, Neruda took the podium in Stockholm to deliver an extraordinary acceptance speech, later included in Nobel Lectures in Literature, 1968–1980 (public library). He begins with a lyrical, almost cinematic recollection of his 1948 escape to Argentina through a mountain pass when Chile’s dictatorial government issued an order for his arrest on account of his extreme leftist politics — a long, trying journey which embodied for the poet “the necessary components for the making of the poem.” He recounts:
Down there on those vast expanses in my native country, where I was taken by events which have already fallen into oblivion, one has to cross, and I was compelled to cross, the Andes to find the frontier of my country with Argentina. Great forests make these inaccessible areas like a tunnel through which our journey was secret and forbidden, with only the faintest signs to show us the way. There were no tracks and no paths, and I and my four companions, riding on horseback, pressed forward on our tortuous way, avoiding the obstacles set by huge trees, impassable rivers, immense cliffs and desolate expanses of snow, blindly seeking the quarter in which my own liberty lay. Those who were with me knew how to make their way forward between the dense leaves of the forest, but to feel safer they marked their route by slashing with their machetes here and there in the bark of the great trees, leaving tracks which they would follow back when they had left me alone with my destiny.
Each of us made his way forward filled with this limitless solitude, with the green and white silence of trees and huge trailing plants and layers of soil laid down over centuries, among half-fallen tree trunks which suddenly appeared as fresh obstacles to bar our progress. We were in a dazzling and secret world of nature which at the same time was a growing menace of cold, snow and persecution. Everything became one: the solitude, the danger, the silence, and the urgency of my mission.
Through this dangerous and harrowing journey, Neruda arrived at “an insight which the poet must learn through other people” — a profound understanding of the interconnectedness of each life with every other, echoing his childhood revelation about the purpose of art. In consonance with the Lebanese-American poet and painter Kahlil Gibran’s insight into why we create, Neruda writes:
There is no insurmountable solitude. All paths lead to the same goal: to convey to others what we are. And we must pass through solitude and difficulty, isolation and silence in order to reach forth to the enchanted place where we can dance our clumsy dance and sing our sorrowful song — but in this dance or in this song there are fulfilled the most ancient rites of our conscience in the awareness of being human and of believing in a common destiny.
Illustration by Julie Paschkis from Pablo Neruda: Poet of the People by Monica Brown
Echoing physicist Freeman Dyson’s meditation on how our self-expatriation from history makes for a deep loneliness, Neruda adds:
Our original guiding stars are struggle and hope. But there is no such thing as a lone struggle, no such thing as a lone hope. In every human being are combined the most distant epochs, passivity, mistakes, sufferings, the pressing urgencies of our own time, the pace of history.
He concludes with a vision for what it would take to let go of our damaging illusion of separateness and inhabit our shared humanity:
It is today exactly one hundred years since an unhappy and brilliant poet, the most awesome of all despairing souls, wrote down this prophecy: “A l’aurore, armés d’une ardente patience, nous entrerons aux splendides Villes.” “In the dawn, armed with a burning patience, we shall enter the splendid Cities.”
I believe in this prophecy of Rimbaud, the Visionary. I come from a dark region, from a land separated from all others by the steep contours of its geography. I was the most forlorn of poets and my poetry was provincial, oppressed and rainy. But always I had put my trust in man. I never lost hope. It is perhaps because of this that I have reached as far as I now have with my poetry and also with my banner.
Lastly, I wish to say to the people of good will, to the workers, to the poets, that the whole future has been expressed in this line by Rimbaud: only with a burning patience can we conquer the splendid City which will give light, justice and dignity to all mankind.
In this way the song will not have been sung in vain.
Complement with Neruda’s beautiful ode to silence and this lovely picture-book about his life, then revisit other timeless Nobel Prize acceptance speeches from great writers: Toni Morrison (the first black woman awarded the accolade) on the power of language, Bertrand Russell on the four desires driving all human behavior, Pearl S. Buck (the youngest woman to receive the Nobel Prize in literature) on writing and the nature of creativity, and Saul Bellow on how art ennobles us.

Larry and Friends: An Illustrated Ode to Immigration, Diversity, Otherness, and Kindness


https://www.brainpickings.org/?s=migration

Larry and Friends: An Illustrated Ode to Immigration, Diversity, Otherness, and Kindness

A charming celebration of camaraderie across cultures.

Much has been said about the lack of diversity in children’s books. But these discussions — as most conversations about diversity — have been largely co-opted by questions of race, overlooking other elements of diversity, such as nationality and native language. This is particularly perplexing in America which, for a nation of immigrants that prides itself on being a “melting pot” of global cultures, has one of the world’s most hostile immigration policies. (I can attest to this myself as a “resident alien” — the tellingly unfriendly term for a U.S.-based foreign citizen — whose entire adult life has been plagued by immigration-related bureaucratic nightmares.) National policies being the seedbed of national attitudes, it’s hard not to wonder and worry about the toxic effect such legal practices might have on fostering xenophobia and intolerance. This concern, coupled with my enormous soft spot for children’s books, is why I was instantly smitten with Larry and Friends (publisher) — a heartening story about immigration, diversity, friendship, and acceptance, envisioned by Ecuadorian-born, New-York-based illustrator Carla Torres, who partnered with Belgian-born, Venezuelan-raised, New-York-based writer Nat Jaspar to bring the project, funded on Kickstarter, to life.
Torres’s gorgeous illustrations tell the tale of Larry the American dog, who decides to have a birthday celebration and invites all his friends, each from a different part of the world and an immigrant in New York, where the story is set — a fitting backdrop, given Gotham’s Ellis Island was the original entry point for immigrants in the United States and New York is the most linguistically diverse city in the world today, home to more than three million foreign-born residents who speak over 800 languages.


The bell begins to ring and each of Larry’s friends arrives, along with a piece of cultural, linguistic, and geopolitical history. We meet such endearing characters as Magda, the little pig from Poland who was sent to New York by her serious parents to “become a competent secretary” but instead pursued her passion and became a tightrope artist; Cogui, the tiny Puerto Rican frog, a violinist living in the Bronx; Gugu, the African zebra who moved to New York with only his Djembe drum and went on to become the lead percussionist at the Apollo Theater.



Then there is Laila, the sinewy cat from Iran who works as an entomologist at the American Museum of Natural History; Edgar, the Colombian alligator who moved to New York as a street musician playing the accordion and now has a steady gig at a French restaurant in Manhattan; Bernard, the French gargoyle who spent years observing people from atop the Notre Dame Cathedral and was drawn to New York as the world’s best people-watching locale; and Rimshi, the Tibetan yak who moved to New York after the Chinese invasion and whom Larry met while volunteering at the refugee center where she works.



Then comes the Mexican coyote Rosita, the best luchadora in New York, and Larry’s heart begins to pound uncontrollably — shy as he is, he has an irrepressible crush on this fierce lady. The Greek owl Ulises, a fine cook, arrives and brings Larry “the biggest and most beautiful birthday cake he has ever seen.”


What’s perhaps most enchanting about the story, however, is that a number of the characters are drawn from the real stories of real people Torres met in New York. Pedro, the Ecuadorian guinea pig, is based on Pedro Erazo, one of the members of the beloved indie band Gogol Bordello. Jin, the Korean fox, is inspired by Mariola Paen, a self-taught Korean artist. Ashki, the Native American buffalo, is based on Melvin, a shaman from the Navajo people who performed a spiritual ceremony Torres attended some years ago.


In the end, the jolly and eclectic group has a party — a charming celebration of diversity and belonging.

Larry and Friends is absolutely wonderful in its entirety, both aesthetically and in its cultural message, and is also available directly from Tangerine Books in both English and Spanish editions.
Images courtesy of Carla Torres

Ruralista e réu por improbidade, Ricardo Salles comandará a subpasta do Meio Ambiente




Ruralista e réu por improbidade, Ricardo Salles comandará a subpasta do Meio Ambiente

Nota do Observatório do Clima sobre o futuro ministro

O ruralista Ricardo Salles, indicado por Jair Bolsonaro para chefiar o que sobrar do Ministério do Meio Ambiente a partir de 2019, é o homem certo no lugar certo. O presidente eleito, afinal, já deixou claro que enxerga a agenda ambiental como entrave e que pretende desmontar o Sistema Nacional de Meio Ambiente para, nas palavras dele, “tirar o Estado do cangote de quem produz”. Nada mais adequado do que confiar a tarefa a alguém que pensa e age da mesma forma.
Salles, ex-diretor da Sociedade Rural Brasileira, promoveu o desmonte da governança ambiental do Estado de São Paulo quando foi secretário de Meio Ambiente Geraldo Alckmin. Ele é réu na Justiça paulista por improbidade administrativa, acusado de ter alterado ilegalmente o plano de manejo de uma área de proteção ambiental – algo que o presidente e o ministro Sergio Moro, ciosos de um gabinete de probos, precisarão explicar a seus eleitores.
Ao nomeá-lo, Bolsonaro faz exatamente o que prometeu na campanha e o que planejou desde o início: subordinar o Ministério do Meio Ambiente ao Ministério da Agricultura. Se por um lado contorna o desgaste que poderia ter com a extinção formal da pasta, por outro garante que o MMA deixará de ser, pela primeira vez desde sua criação, em 1992, uma estrutura independente na Esplanada. Seu ministro será um ajudante de ordens da ministra da Agricultura.
O ruralismo ideológico, assim, compromete o agronegócio moderno – que vai pagar o preço quando mercados se fecharem para nossas commodities.


Não consegue visualizar este e-mail? clique aqui

COP 24: Fórum Brasileiro de Mudanças do Clima (FBMC) apresenta estratégias para contenção das mudanças climáticas

http://www.ihu.unisinos.br/585425-cop-24-forum-brasileiro-de-mudancas-do-clima-fbmc-apresenta-estrategias-para-contencao-das-mudancas-climaticas

COP 24: Fórum Brasileiro de Mudanças do Clima (FBMC) apresenta estratégias para contenção das mudanças climáticas

 

Mudanças Climáticas – Estudo conclui que desmatamento ilegal zero, reflorestamento de áreas de pasto degradadas e agricultura de baixo carbono são ações consideradas urgentes no País.
A reportagem é publicada por EcoDebate, 11-12-2018.
Trata-se de um relatório preliminar das recomendações brasileiras de desenvolvimento de economia de baixo carbono para o longo prazo (Long-term Strategy – LTS), que deverá ser submetido à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (UNFCCC) até 2020. O estudo foi solicitado pelo presidente Michel Temer ao FBMC em agosto deste ano e conduzido pela Câmara Temática de Longo Prazo, coordenada pelo CEBDS, WRI e Instituto Escolhas.
De acordo com o relatório, combate ao desmatamento ilegal, reflorestamento de áreas degradadas pelo pasto, agricultura de baixo carbono e redução drástica da queima de combustíveis fósseis, sobretudo no setor dos transportes, devem ser medidas prioritárias para o Brasil ajudar o planeta na contenção do aquecimento global em 1,5ºC de acordo com os níveis pré-industriais, como recomenda o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) para evitar tragédias ambientais e escassez de alimentos já nas próximas décadas.
Ana Carolina Szklo, diretora de desenvolvimento institucional do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), lembrou que “zerar o desmatamento líquido nos biomas brasileiros e aumentar as taxas de reflorestamento a médio prazo” é uma das 10 propostas prioritárias que o setor empresarial brasileiro apresentou aos presidenciáveis no período eleitoral, por meio do documento Agenda CEBDS por um Brasil Sustentável. “A política da mudança climática é uma agenda de Estado, não de governo”, ressaltou Ana, que afirma que o setor empresarial brasileiro está disposto a assumir metas mais ambiciosas na agenda climática por entender que a transição para uma economia de baixo carbono gera oportunidades de negócios que contribuem para a resiliência dos negócios. “É de interesse econômico que não haja mais desmatamento ilegal no Brasil. Porque se continuar, a conta vai ficar cara para todos os setores”, concluiu.
Ao comentar a postura cética do novo governo sobre as mudanças climáticas, o secretário-executivo do Fórum Brasileiro de Mudança do Clima, Alfredo Sirkis disse que aposta no diálogo e que é preciso encontrar pontos de convergência sobre a agenda nos diversos grupos do novo governo. “Vamos precisar de habilidades que vão muito além de protestar. Minha palavra de ordem agora é tranquilidade”, afirmou. Sobre a possibilidade de dissolução do Fórum Brasileiro de Mudança do Clima (FBMC), Sirkis disse que a instituição cogita até virar uma organização da sociedade civil com participação do governo subnacional. “Nossos estudos vão continuar nem que chova canivete”, afirmou.

Leia mais

EUA. Investidores católicos pedem que empresas de energia se oponham ao plano de reversão do padrão de emissões



EUA. Investidores católicos pedem que empresas de energia se oponham ao plano de reversão do padrão de emissões

http://www.ihu.unisinos.br/585441-eua-investidores-catolicos-pedem-que-empresas-de-energia-se-oponham-ao-plano-de-reversao-do-padrao-de-emissoes

Organizações católicas estão estimulando as principais empresas produtoras de energia a se oporem à proposta de reversão de padrões da United States Environmental Protection Agency - EPA (Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos, em português), que controla as emissões de gases do efeito estufa.
A reportagem é publicada por La Croix International, 10-12-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.
Em uma carta às empresas de energia, 61 acionistas que fazem parte do Centro Interconfessional de Responsabilidade Corporativa escreveram que qualquer reversão é arriscada para seus investimentos pois levaria a “excessivas emissões de metano que manchariam desnecessariamente a ideia de que o gás natural seria um combustível limpo, e questionaria o papel da utilização do gás natural num futuro onde poderíamos ter uma diminuição de carbono", conforme reportagem do Catholic News Service.
O motivo da carta é intervir no plano da agência federal norte-americana para facilitar os New Source Performance Standards (Padrões de Desempenho de Novas Fontes, em português) que regem a produção no setor de petróleo e gás.
Os padrões estabelecem limites para a emissão de metano, compostos orgânicos voláteis e poluentes atmosféricos perigosos na produção de energia que a EPA se propõe a reduzir para a diminuição de custos.
A Mercy Investment Services, um dos signatários católicos da carta, vê as reversões não apenas como financeiramente arriscadas, mas como uma ameaça ao meio ambiente, neste momento em que o mundo luta para combater às mudanças climáticas, diz a reportagem de Catholic News Service.
"É um desperdício de produto para as empresas", disse Mary Minette, diretora do conselho de acionistas da Mercy Investment Services, sobre vazamentos que ocorreram em fontes de poços e oleodutos.
"Isso agrava mudanças climáticas e piora a qualidade do ar. Francamente, as empresas de petróleo e gás precisam ter controle sobre isso se quiserem dizer que o gás natural é uma força de combustível de baixo carbono", acrescentou.
O metano é um gás que contribui muito para o efeito estufa e o aquecimento global, fazendo parte de uma classe de poluentes que mantêm o calor na atmosfera.
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que rejeitou as descobertas científicas sobre a mudança climática, pediu a reversão de regulamentações ambientais "excessivas".
A EPA propôs emendas aos Padrões de Desempenho de Novas Fontes, que expiram no dia 17 de dezembro, isso fez com que a Interfaith Center on Corporate Responsibility agisse imediatamente.

Leia mais

Brasil vai deixar Pacto Global para Migração da ONU

IHU

Brasil vai deixar Pacto Global para Migração da ONU

http://www.ihu.unisinos.br/585421-brasil-vai-deixar-pacto-global-para-migracao-da-onu








Anúncio de futuro ministro das Relações Exteriores do governo Bolsonaro segue exemplo de países como a Polônia e Hungria, que já haviam abandonado pacto.
A informação é publicada por Deutsche Welle, 11-12-2018.
O embaixador Ernesto Araújo, confirmado para assumir o Ministério das Relações Exteriores, disse nesta segunda-feira (10/12), nas redes sociais, que o governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro, vai se desassociar do Pacto Global para Migração. Segundo ele, a imigração deve ser tratada de acordo com “a realidade e a soberania de cada país”.
"O governo Bolsonaro se desassociará do Pacto Global de Migração que está sendo lançado em Marrakech [Marrocos], um instrumento inadequado para lidar com o problema. A imigração não deve ser tratada como questão global, mas sim de acordo com a realidade e a soberania de cada país”, afirmou o futuro chanceler em sua conta no Twitter.
O Pacto Global para uma Migração Segura, Ordenada e Regular das Nações Unidas (ONU) foi aprovado hoje por representantes de mais de 160 países na conferência intergovernamental da organização na cidade marroquina.
O pacto é o primeiro a definir diretrizes para uma política migratória internacional. Ele foi finalizado em julho, depois de 18 meses de negociações, por todos os 193 países das Nações Unidas, exceto os Estados Unidos.
Mas, nesta segunda-feira, apenas 164 assinaram o documento. Dez países, a maioria no antigo bloco comunista europeu, abandonaram o pacto, entre eles Polônia, Hungria e República Tcheca. Outros seis, entre eles Israel, Itália, Suíça e Bulgária, estão debatendo se vão deixá-lo ou não, disseram representantes da ONU. No domingo, o Chile se retirou do acordo. A Áustria deixou o pacto em novembro.
Mesmo não tendo uma natureza vinculativa, o documento dividiu opiniões e suscitou críticas de forças nacionalistas e críticas à imigração em vários países. Na Alemanha, o partido populista de direita AfD e setores dos partidos conservadores CDU e CSU votaram contra a aprovação do pacto pela Alemanha.
Ao discursar na conferência, o secretário-geral da ONU, António Guterres chamou a atenção para "o direito soberano dos Estados de determinar suas políticas de migração e suas prerrogativas para governar a migração dentro de sua jurisdição, em conformidade com o direito internacional", insistiu o secretário-geral.
Sem dar nomes, Guterres lançou uma mensagem aos países que se negaram a assinar o pacto e que expressaram suas desconfianças sobre o texto ou pediram tempo. Ele afirmou que o pacto "não é um tratado" e "não é juridicamente vinculativo", deixando as portas abertas para que mais países o assinem futuramente.

Marco regulatório

Em ocasiões anteriores, o futuro chanceler Araújo adiantou como o governo brasileiro pretende lidar com o fluxo migratório. Segundo ele, o país buscará acolher os imigrantes fixando um marco regulatório compatível com a realidade nacional.
"O Brasil buscará um marco regulatório compatível com a realidade nacional e com o bem-estar de brasileiros e estrangeiros. No caso dos venezuelanos que fogem do regime [do presidente venezuelano Nicolás] Maduro, continuaremos a acolhê-los, mas o fundamental é trabalhar pela restauração da democracia na Venezuela.”
O embaixador acrescentou ainda que os imigrantes são bem-vindos no Brasil e não serão discriminados. Porém, defendeu a definição de critérios para garantir segurança a todos. Não detalhou quais seriam esses critérios.
"A imigração é bem vinda, mas não deve ser indiscriminada. Tem de haver critérios para garantir a segurança tanto dos migrantes quanto dos cidadãos no país de destino. A imigração deve estar a serviço dos interesses acionais e da coesão de cada sociedade."

Leia mais


Tuesday, 11 December 2018

EXPERIMENTO, DESTRUIÇÃO E CRIAÇÃO - Nunca fomos tão livres

le monde
https://diplomatique.org.br/nunca-fomos-tao-livres/

EXPERIMENTO, DESTRUIÇÃO E CRIAÇÃO

Nunca fomos tão livres

por Douglas Rodrigues Barros
dezembro 4, 2018
Imagem por Bansky

O pacto de paz social venceu e levou junto a esquerda iludida pela lei, criada para manter a regulação do movimento e circulação da mercadoria e do capital
Nunca fomos tão livres quanto agora. Perdemos a cada dia nossos direitos e, em primeiro lugar, o de falar; somos ultrajados todo santo dia e temos de nos calar; somos colocados diante de um horizonte obscuro, decrescente, acintoso; todo amargor de uma derrota muito além do circo das eleições nos é servido no prato fundo do ressentimento e ódio de classe; em todo lugar, nos muros, nos jornais, nas redes sociais reencontramos o semblante imundo daqueles imorais que falam em nome da moral, todo odor de uma ordem imposta pelos canhões da polícia crava fundo em nossa alma com outras tantas baforadas de esmorecimento: por causa de tudo isso somos livres.
Com essa paráfrase de Sartre sabemos que por causa do ódio à diferença infiltrado até no nosso estado onírico conquistamos uma vitória quando conseguimos rebatê-lo; porque uma mídia todo-poderosa tenta nos constranger à vergonha, cada gesto se torna precioso como uma declaração universal; porque finalmente ultrapassamos o limite de uma esquerda que legitimamente tentou tocar o sentido profundo de democracia liberal, como aquele espaço aberto ao debate independente, sabemos que democracia para o poder econômico constituído é sinônimo de humilhação dos mais pobres e silêncio dos que se angustiam com as injustiças: por causa de tudo isso somos mais livres.
Se o segredo do homem é o limite de sua liberdade estamos mais uma vez diante do desafio de exercê-la por meio da criação de uma alternativa independente e autônoma. Lidarmos com o irreal tornou-se uma meta pois o real tornou-se um escândalo insuportável, é preciso por isso reafirmar a impossibilidade não dada pela lógica do possível-mercado.
É justamente isso, aquilo que chamam de impossível, irreal, irrealizável na atual coordenada social, que poderá nos guiar para uma sociedade cuja produção de riquezas seja benefício de todos, cuja reprodução social seja efetivada para libertação de todas as potencialidades humanas. É preciso urgentemente ultrapassar a vida resignada aos significantes da mercadoria; a humanidade é muito mais do que nascer, trabalhar, procriar e morrer. Não podemos ceder a tentativa de reatualização da escravidão que atende pelo nome de neoliberalismo.
A teologia neoliberal deve ser relembrada de sua crise cujo aniversário de dez anos mantém uma permanente festa de recessão econômica e de destruição social; capitalismo de espoliação. Enquanto todos os olhares atentos se prendem no espetáculo dado pela Apple ampliado pelo “gênio da mercadoria” Steve Jobs, os olhos fecham-se para a Foxconn, “a empresa taiwanesa que controla grandes fábricas na China, onde centenas de milhares de pessoas montam iPads e iPods em condições abomináveis”. Tudo concorrendo para uma vida cada vez mais degradada na qual no Brasil 34,2 milhões de pessoas vivem de bicos e cargas horárias de trabalho insuportáveis.
Esse dado inegável era negado por uma tentativa frustrada de governabilidade, mantra usado por uma esquerda perdida e distante do terreno social, uma esquerda acostumada com um pacto de paz social malfeito e garantidor do autoritarismo perene desde 1964, uma esquerda para a qual o capitalismo humanizado convinha com as múltiplas vozes da representação liberal-democrática. Bastou, porém, virarem o jogo para calarem e tentarem calar, com pólvora ou prisão, vozes dissonantes ao coro de cordeiros guiados para o matadouro da frustrada tentativa de valorização de um capital já sem valor. É por causa da urgente tarefa de implodir essa limitação democrática-espetacular que somos mais livres do que nunca.

O pacto de paz social venceu e levou junto a esquerda iludida pela lei, criada para manter a regulação do movimento e circulação da mercadoria e do capital. Embora a desgraça tenha algum mérito no desenvolvimento de novas condutas que tentam evitá-la no futuro, ela não surte efeito senão naqueles que reconhecem seus erros. É preciso reconhecê-lo para assim superá-lo.
Na USP, devorando meus temores como um espartano, conservando-me digno ao não me deixar arrastar por nenhum pessimismo melancólico, me via numa sala lotada; precavido porém, cheguei cedo, e sentei-me na terceira fileira. A FFLCH sabemos como é, um Flicoteaux tupiniquim na qual todo grande nome das leis do espírito e da intelectualidade teve o desprazer em sentar em suas cadeiras precárias, abandonadas pela elite econômica que profundamente a detesta.
Essa situação composta dos lugares-comuns modernos, esse lugar cujos corredores são preenchidos pelas futuras pessoas do amanhã, mas cujas paredes são revestidas de expressões tristes, de palavras laudatórias e destinadas a provar a beleza que existe no cultivo das ideias, tornou-se ridículo para uma sociedade cuja vida está compreendida entre o útil e o egoico. Para uma sociedade que detesta as ideias e que se pudesse proibiria os livros que falam sobre o pensamento.
Naquela noite, às vésperas do impeachment de Dilma Rousseff, veríamos Paulo Arantes, Vladimir Safatle, Marilena Chaui e Ricardo Mussi. Embora as nuanças nas falas tivessem uma excessiva delicadeza, era possível apontá-las e não tinha sequer um único olho que não brilhasse com as palavras de descrédito por tudo que estava acontecendo.
Eu permitia-me olhadelas interrogativas, poucas poses de satisfação e algum enfado pela desconfortável cadeira que tinha me metido e o pouco ar na sala abarrotada. Uma única frase me marcou naquela noite: “quem pede autocrítica é aquele que se alia ao stalinismo”. Essa frase que, por profundo respeito e sincera admiração não citarei a autoria, reivindicava a possibilidade do PT não autocriticar-se.
Numa posição de autoridade, dizia ser autoritária a necessidade de autocrítica, invertendo a lógica do próprio autoritarismo e da tristeza aberrante que foi o stalinismo, acusava de stalinismo uma posição necessária de autocrítica. Autocrítica que o PT jamais fez e jamais fará. Eis a verdade burocrática.
Quando no final da década de 1970, os trabalhadores sonharam na criação de um partido que lhes desse voz e fizesse leis favoráveis ao trabalho, dificilmente iriam imaginar que o maior líder do mundo do trabalho naquela época corresse o risco de morrer preso numa cadeia depois de chegar à Presidência. Sabiam pois que acordos com o capital têm seus limites e por mais consensos possíveis, mais atos conciliatórios perpetrados com custo alto, há uma linha divisória que os tornam sempre inimigos. Lula se esqueceu disso.
Sua prisão é política, sabemos. Todos sabem, mas quisera sua prisão fosse por defender radicalmente os trabalhadores. Não. Sua prisão foi decretada e acatada justamente pelos tratos que fez com o capital e pelo costume ao governo. Governo que acreditou concentrar o poder, se esquecendo assim das primeiras lições escutadas nas pastorais eclesiais de base: o poder é o dinheiro.
Prisão decretada quando seu partido, que já não era mais o daqueles trabalhadores, dizia ter havido um golpe. Golpe que eles nunca levaram a sério, como a gente, aliás, levou. O mundo ia mal, a sabedoria popular tinha razão, mas, encaixotados nas suas mesas e salas refrigeradas, os burocratas dessa esquerda não achavam, afinal, pela primeira vez se consumia tanto nesse país. Assim também os burocratas acadêmicos se pavoneiam de seu democratismo anticomunista para continuarem à frente de algum departamento. Segue o barco rumo ao abismo.
De todos os equívocos, de todos os equivocados, o único que lucrou foi o próprio PT, que não apenas anestesiou a esquerda de modo geral, como ainda conseguiu incutir as noções liberais como a única possibilidade viável. O lulismo continua vivo, talvez agora mais vivo que nunca, única arma possível de refrear os ânimos radicais dos condenados ao trabalho precário, daqueles que sofrem a violência radical do Estado policialesco, daqueles que descobrem a vida sem sentido sob égide do capital de espoliação. A nós cabe criar uma alternativa a esse dispositivo anticlassista e contrário os condenados da terra e, por isso, nunca fomos mais livres.
Explorar os meios adotados, por trajetos não navegados, ouvir as vozes do passado que nos pesam nas costas e traçar o mapa correspondente, eis a necessária ambição de uma esquerda que desrespeite os limites de uma vida governada pela mercadoria. Os mapas dos trajetos, sua intepretação e leitura, são essenciais à atividade política efetiva.
Basta dos carros de som, dos burocratas empurrando-se para falar no microfone, dos partidos que em nome do fundo partidário se digladiam internamente, é preciso experimento, destruição e criação. Superar o petismo, lulismo, é a possibilidade de um exercício de liberdade fundamental para ultrapassarmos não só o governo senil que aí está, mas como o sistema que o alimenta.

*Douglas Rodrigues Barros é escritor e doutorando em filosofia política pela Universidade Federal de São Paulo.


*

A TRANSFORMAÇÃO DE NEW ORLEANS DEPOIS DO FURACÃO KATRINA

le monde
 https://diplomatique.org.br/como-matar-uma-cidade/

A TRANSFORMAÇÃO DE NEW ORLEANS DEPOIS DO FURACÃO KATRINA

Como matar uma cidade

por Olivier Cyran
novembro 30, 2018
Imagem por James Cage/cc



Em 29 de agosto de 2005, um furacão atingia New Orleans, matando 2 mil pessoas e destruindo dezenas de milhares de casas. A catástrofe permitiu que políticos e empresários experimentassem um urbanismo de tábula rasa, objetivando substituir pobres por turistas – um método que inspira outros dirigentes ansiosos em lucrar com desastres climáticos…
Em um bairro tomado pela gentrificação, o lugar mais anódino pode de repente surgir como uma curiosidade, até como um foco de resistência. Na Freret Street, em New Orleans, esse papel é de uma barbearia. Inaugurada em 1974, época em que um visitante branco que se visse perdido nessa rua trataria de dar no pé rapidinho, a Dennis Barber Shop é agora o “último vestígio de uma comunidade desaparecida”, como diz seu dono, Dennis Sigur, que, apesar da idade respeitável, mantém sua jornada de quinze horas. Do lado esquerdo, um pet shop pode, por US$ 50, dar um banho em seu cãozinho. Em frente, a poucos metros de um bar de vinhos francês e de um salão de beleza, uma escola de ioga oferece “redução do estresse” e “paz de espírito” por US$ 150 ao mês. Um pouco mais acima, na esquina da Jefferson Avenue, foi inaugurada uma Starbucks no fim de 2017. “Eu já não me vejo aqui”, lamenta Sigur. “Quase todos os meus antigos clientes saíram do bairro. Felizmente, muitos ainda vêm à barbearia, às vezes de longe. Aqui é um ponto de encontro para os mais antigos, meio como um bar de amigos, só que sem o álcool.”
Há uns quinze anos, a Freret Street e seus arredores eram um bairro quase exclusivamente negro, como grande parte da cidade. A proporção de afro-americanos em New Orleans caiu de 67% em 2005 para 59% em 2013 – uma tendência que está se acelerando. Muito majoritariamente pobres, os “nativos”, como às vezes eles próprios se qualificam, com uma ponta de ironia – uma maneira também de reivindicar a impressionante marca cultural deixada por eles na alma da cidade –, têm se mudado para as periferias ou para ainda mais longe, expulsos pelo afluxo de uma população branca, jovem e endinheirada que levou os preços às alturas. Em poucos anos, bairros historicamente negros e populares, como Bywater, Marigny, 7ª Ward e Freret, tornaram-se tendencialmente brancos e opulentos.
Em que momento percebemos que o mundo onde vivemos não existe mais? Para Bernard Larose, de 52 anos, que acaba de ter o cabelo tratado pela talentosa tesoura de Sigur, foi em 2013, quando o dono do imóvel de três cômodos onde ele morava aumentou mais uma vez o aluguel, que em quatro anos passou de US$ 600 para US$ 1.100. “No mesmo período, meu salário não aumentou um centavo. Foi então que percebi que este bairro não era mais para mim e que tinha chegado a hora de ir embora.” No mesmo ano, durante uma reunião pública, um grupo de uns cem novos moradores pediu que se aumentassem os impostos locais a fim de custear o recrutamento de agentes de segurança para realizar patrulhas noturnas. A proposta foi rejeitada,1 mas “naquele momento vimos a que ponto a gentrificação tinha remodelado o bairro”, diz Larose. O caloroso boteco na esquina da Bolivar com a Washington, que servia café da manhã a US$ 0,99 aos trabalhadores da vizinhança, sumiu, dando lugar a cafés de comércio justo vendidos a US$ 4 e hambúrgueres gourmet que saem por US$ 12.
Se aqui ele coincide com um sistema de dominação racial profundamente enraizado na história do “Big South”, o fenômeno de recaptura dos centros das cidades pelas classes médias altas afeta a maioria das grandes cidades ocidentais, de Nova York a Berlim, passando por Detroit, Paris, Lisboa e Barcelona. Mas New Orleans é um caso-limite. Enquanto em outros lugares o processo se desenrola de maneira progressiva, por avanços intermitentes ou a longo prazo, aqui ele atingiu a velocidade da luz, em uma escala e com uma brutalidade sem precedentes. Um desastre climático serviu como catalisador: o furacão Katrina, que devastou a cidade há treze anos, matando quase 2 mil pessoas.
Tempestade do século, oferta do século
Para os moradores, as inundações que se seguiram à tempestade de 29 de agosto de 2005 continuam sendo um trauma para toda a vida, como mostram as taxas de suicídio registradas desde então (de nove a cada 100 mil habitantes, antes do Katrina, para 26 a cada 100 mil depois).2 Para os formuladores de políticas e as elites econômicas, elas foram providenciais. Ficando três quartos debaixo da água por causa da ruptura dos diques – que, aliás, foi resultado da falta de manutenção produzida pelas economias orçamentárias –, a joia urbana da Louisiana viu-se esvaziada de sua população durante vários meses: a oportunidade perfeita para seus dirigentes terminarem o trabalho de destruição iniciado pelo furacão. Os mortos mal foram tirados da água e já se instaurou o reinado do “liberalismo bombado por esteroides” – para usar a expressão do advogado William B. Quigley –, com todas as características de uma guerra total contra os pobres. Professores foram demitidos, escolas foram privatizadas, o hospital público foi condenado, o aparelho de segurança foi reforçado, o mercado imobiliário foi desregulamentado, os conjuntos habitacionais com aluguéis populares foram demolidos e substituídos por residências de incorporadoras. Ao mesmo tempo que se mimava o setor do turismo com os planos para a construção de um novo aeroporto e de uma miríade de hotéis de luxo, estendeu-se o tapete vermelho para os empresários, cobrindo-os de benefícios fiscais. “Foi necessária a tempestade do século para criar a oportunidade do século. Não a deixemos passar”, exortava a governadora democrata da Louisiana, Kathleen Blanco, menos de duas semanas após o Katrina. Dizer que ela foi ouvida é pouco. A tal ponto que o “renascimento” de New Orleans, muitas vezes elogiado na mídia como um “modelo de sucesso”,3 poderia servir como um manual para todos os líderes mundiais preocupados em fazer o melhor uso possível das tragédias climáticas que teremos pela frente.
A primeira lição que devemos reter a respeito do Katrina é que um cataclismo recai preferencialmente sobre aqueles que não têm nada, ou quase nada. Prova disso são as imagens, exibidas à exaustão na época, dos milhares de sobreviventes que, por não terem carro – portanto, não poderem sair da cidade por conta própria –, amontoaram-se no estádio Superdome e no Centro de Convenções em condições inacreditáveis. “Foi proclamada lei marcial, em todas as esquinas havia policiais e militares apontando armas para nós, mas ninguém para nos ajudar. É algo que nunca vou esquecer”, conta Alfred Marshall, de 60 anos, sindicalista negro que é membro do Stand with Dignity, um coletivo de defesa dos trabalhadores precários. “Um rapaz vizinho meu entrou em uma loja abandonada para conseguir roupas secas e foi baleado, como um cachorro. Nunca conseguimos saber quantas vítimas foram feitas pelas forças da ordem. Sua preocupação número um era proteger a propriedade contra aquilo que chamavam de pilhagem, e não salvar as pessoas que estavam se afogando ou socorrer os sobreviventes.”
Uma vez evacuados e espalhados pelo país, muitos sobreviventes foram confrontados com escolhas dilacerantes. No New York Times, o colunista David Brooks alertou: “Se permitirmos que os pobres voltem a suas antigas casas, New Orleans voltará a ser acabada e disfuncional como antes”.4 Uma montanha de obstáculos foi colocada diante deles. Um dos mais tortuosos foi o Road Home [“Caminho de casa”], programa federal destinado a ajudar os exilados a reconstruir a própria casa. A administração do presidente George W. Bush calculou o montante alocado para os beneficiários com base no valor avaliado de suas propriedades no mercado imobiliário. Isso significa que os donos das opulentas mansões do Garden District foram generosamente indenizados, enquanto as pessoas que viviam em bairros pobres ficaram com as migalhas. Treze anos depois, estima-se que cerca de 100 mil moradores de New Orleans entre os mais pobres (de um total de cerca de 450 mil habitantes antes do furacão) nunca voltaram para casa. “Deixaram claro que eles não eram bem-vindos em sua própria cidade”, lança Marshall, com a cólera que o acompanha há treze anos. “Nossas autoridades usaram o Katrina como um superxerife para expulsar os indesejados – uma maneira de se vingar desta cidade que eles sempre consideraram muito negra e indisciplinada. Quando se fala de gentrificação, o que eu ouço é a palavra ‘eliminação’.”
Nas semanas de caos que se seguiram ao Katrina, o prefeito democrata de New Orleans, Ray Nagin – hoje preso por corrupção –, e a governadora Blanco se uniram em torno de uma causa comum: liquidar a escola pública e os professores. No fim de setembro de 2005, a comissão escolar nomeou, para chefiá-la, um cost-killer [“matador de custos”] de Nova York, o ex-coronel William Roberti, da empresa de consultoria corporativa Alvarez-Marsal. Esta imediatamente descolou um contrato de US$ 16,8 milhões para ajudar a comissão a reorganizar o sistema escolar. Um esquadrão de consultores com suas pastas grafite aterrissou no Vieux Carré, o epicentro turístico da cidade, milagrosamente poupado pelas águas. Graças a seus geradores, os bares do distrito do álcool eram os únicos estabelecimentos comerciais da cidade abertos, enquanto tudo desabava ao seu redor, “com seus clientes completamente amodorrados e marinando sob a própria imundície, a ponto de parecerem figuras de cera abandonadas sob um poste de luz”, como conta o escritor James Lee Burke.5
Foi, portanto, nas mãos desses especialistas em “gerenciamento de crise” que foi colocado o destino das crianças de New Orleans. Sob suas orientações, a comissão escolar aproveitou o fato de não haver alma viva na cidade para anunciar a demissão a seco de todos os seus 7.500 professores. “Quando a notícia foi dada pela mídia local, a maioria dos professores ainda estava muito longe dali. Muitos tomaram conhecimento do fato repentinamente, no pior momento, quando ainda lutavam com o trauma do Katrina e com dificuldades materiais insuperáveis”, destaca o advogado Willie Zanders, que defendeu os “7.500” em uma longa maratona judicial, que começou vencendo, mas acabou com a derrota, em 2013, perante a Suprema Corte da Louisiana.

Livrar-se dos professores
Por que os professores? Zanders encolhe os ombros. “Eles usaram como pretexto o estado de desastre natural e o fato de que não havia mais dinheiro nos cofres. No entanto, dez dias após o anúncio da demissão em massa, a Secretaria de Educação do estado da Louisiana recebeu US$ 100 milhões do governo federal para ajudar o retorno dos professores. A ironia é que esse dinheiro acabou recompensando quem os expulsou.” Para o advogado, tratava-se também de neutralizar uma força social potencialmente incômoda: “Exonerando os professores, majoritariamente negros e muitas vezes envolvidos nas lutas de bairro, a cidade e o estado também destruíram seu sindicato, o United Teachers of New Orleans, um dos raros que conseguiram se instalar no deserto sindical que é a Louisiana”.
No entanto, o propósito da operação – a qual Zanders suspeita que já estava na gaveta antes do Katrina, esperando uma oportunidade favorável para vir a público – era trazer ao mundo esta experiência única: a transformação simultânea de quase todas as escolas de uma cidade grande em charter schools. “Escolas fretadas”, ou “contratadas”: esse termo designa um regime recentemente inventado que une o privado (cada escola é dirigida por um operador que se comporta como um líder empresarial) e o público (o acesso às escolas continua gratuito, e o operador privado não pode obter lucro). Inicialmente testado em Nova York, com apoio da Fundação Bill e Melinda Gates, o sistema charter difundiu-se num piscar de olhos para a maioria das grandes cidades dos Estados Unidos, precedido por sua reputação de cura milagrosa para os problemas do fracasso escolar em bairros difíceis.6 Nunca antes ele havia sido aplicado na escala de toda uma metrópole.
Para conhecer melhor esse sistema, batemos à porta da Paul Habans Charter School, uma escola primária em Algiers, na periferia. Na parede da recepção exibe-se em grandes letras vermelhas o lema do estabelecimento: “Perseverança, excelência, coragem, comunidade”. No corredor, uma placa proclama: “Sempre fazemos o melhor para sermos melhores”. Mais adiante: “Somos parte de algo maior que nós mesmos”. Nossos passos ecoam em um silêncio de catedral.
A responsável pelo local nos dá a honra de uma audiência. Branca, jovem, sorridente, Kate Mehok é a diretora-geral do grupo Crescent City Schools, que gere três escolas, incluindo esta. Ela também é de Nova York. “Cada escola recebe US$ 8.500 por criança por ano, pagos pelo estado e pela cidade”, explica a diretora. “Acolhemos todas as crianças sem discriminação e fazemos relatórios sobre nossos resultados. Mas ninguém vem nos dizer que programa devemos seguir e como fazer isso. Desde que os objetivos sejam cumpridos, podemos fazer o que quisermos.”
Para substituir os professores demitidos, os contratantes primeiro se voltaram para a Teach for America, uma organização humanitária que envia novatos recém-formados para territórios em crise, normalmente no exterior: é uma oportunidade de ter uma primeira experiência e depois obter o certificado de professor. Em New Orleans, eles raramente ficam muito tempo. Mehok admite que há “uma rotatividade, como em qualquer empresa”, mas destaca que “é também uma chance de ter professores jovens, que ainda não estão formatados”. E uma oportunidade para seus empregadores, que pagam pessimamente, enquanto recebem eles próprios polpudos salários – US$ 120 mil por ano (no caso de Mehok) até mais de US$ 200 mil no caso de alguns de seus colegas. Como ela organiza o recrutamento? “Da maneira tradicional: publicamos um anúncio na internet, os candidatos se inscrevem, estudamos seu currículo e, se necessário, chamamos para uma entrevista. É claro que estamos livres para demiti-los se eles não tiverem bons resultados, assim como eles estão livres para ir embora se não estiverem satisfeitos.”
Para os estudantes, a “oportunidade” da qual fala a diretora não é tão evidente assim. Ashana Bigard, uma assistente social que dá apoio legal aos pais de alunos em conflito com a escola, acredita que o sucesso político do modelo charter reside precisamente em seu caráter disciplinar. “Eles chamam isso de regra no excuse”, explica. “As crianças têm de andar em fila, como galinhas; algumas escolas onde os estudantes negros são ultramajoritários simplesmente suprimiram a recreação. Crianças em idade escolar são punidas quando se encostam a uma parede, colocam a cabeça na mesa ou usam uma blusa cuja cor não é permitida.” Mas o pior, segundo ela, é a regra que impõe o silêncio no refeitório e durante a sesta: “Para crianças de 4 a 8 anos, uma proibição como essa pode prejudicar o desenvolvimento das emoções sociais”.
As charter schools são uma ferida tão dolorosa para Bigard que ela está pensando em ir embora da cidade onde nasceu. “Quero que meu filho aprenda música na escola, mas aqui isso já não é possível. Era, antes do Katrina: havia aulas de música em todas as escolas; foi nelas que muitos músicos aprenderam a tocar. Hoje isso acabou. Meu tio-avô, Barney Bigard, era um grande clarinetista de jazz, tocou com Duke Ellington e Louis Armstrong, e meu filho não tem nem acesso a um instrumento.”

De músicos a motoristas de Uber
Na cidade-mãe dos músicos negros norte-americanos, onde a embriaguez do som toma conta de você a cada passo, a consideração dada aos músicos também diz muito sobre as mudanças em curso. “Sempre foi difícil, mas está cada vez pior”, suspira Bennie Pete, fundador do Hot 8 Brass Band, após um show de levantar defunto. Sua banda é uma das mais famosas da cidade e viaja o mundo inteiro – mas seus membros mal têm onde cair mortos. “Muita gente está vindo para cá com muito dinheiro, eles compram casas e bairros inteiros, forçando os antigos moradores a sair, então as condições também ficam mais difíceis para os músicos”, confidencia. “Antigamente, tocávamos muito nos bares turísticos da Frenchmen Street; agora eles só pagam em gorjeta, o que recusamos. Nunca foi tão difícil viver da nossa música. Para complementar, todos nós temos outros trabalhos – vendedor de loja, motorista de Uber etc.” Outra proeza local: enquanto o número de turistas cresce ano a ano (quase 18 milhões em 2017, um novo recorde), os artistas que eles vêm prestigiar empobrecem a ponto de ter de levá-los de Uber até seu Airbnb.
Em New Orleans, como em muitos outros lugares, a falta de moradia popular é a principal alavanca da gentrificação. Mas aqui ela não resulta apenas dos caprichos de um mercado deixado livre: é fruto de um implacável trabalho de demolição. Entre 2006 e 2014, os quatro principais conjuntos habitacionais que compunham o universo da moradia popular da cidade, totalizando 4.500 unidades habitacionais, foram todos destruídos. Essa ideia também já estava no armário antes do Katrina. Desde a década de 1990, um programa federal aprovado durante a presidência de Bill Clinton subsidia a destruição de moradias sociais e sua substituição por residências para “rendas intermediárias”. Com esse presente para as incorporadoras, a prefeitura de New Orleans já havia começado, desde a virada para o ano 2000, a planejar o desmantelamento dos conjuntos. Mas as tentativas chocavam-se com uma forte resistência. O estado de perplexidade provocado pelo Katrina e o clima de corrida do ouro que tomou conta da elite facilitaram a transformação do plano em ato.
Morador histórico de Calliope, antigo conjunto habitacional de tijolos vermelhos do distrito de Uptown, Marshall nos leva para ver o que resta dele: pequenas casas pré-fabricadas, montadas às pressas e gerenciadas por uma incorporadora do Missouri ligada ao banco Goldman Sachs. A que ele ocupa faz parte da cota de unidades reservadas aos locatários sociais, o que pode ser identificado pela porta da frente pintada de roxo. “A da minha vizinha é amarela, porque ela paga um aluguel mais caro. Somos proibidos de pintá-las. Aliás, tudo é proibido aqui: fazer churrasco, comer do lado de fora com os amigos, tocar música. O regulamento não deixa nem sentar no alpendre, coisa que fazemos nesta cidade há gerações. O objetivo é que cada um fique sozinho dentro de casa. Quanto às plantas…” Ele nos faz tocar com os dedos a coisa esverdeada e raquítica plantada em frente à sua casa. Plástico. “Está vendo isso? Não temos nem o direito de arrancar essa coisa horrenda para cultivar uma planta, uma de verdade.” Regras semelhantes existem nas residências para as pessoas ricas, mas sem produzir o mesmo efeito punitivo.
Marshall sente raiva do que fizeram com seu bairro. Das cerca de 1.500 famílias que viviam em Calliope, devem restar umas sessenta. “Na época, todo mundo se conhecia, tínhamos pomares coletivos onde as pessoas cultivavam frutas. Foi aqui que eu aprendi que, quando alguma coisa não funciona, ela pode ser melhorada coletivamente. Hoje nem conheço meus vizinhos. Ali na frente era um jardim público aonde as pessoas iam tocar juntas; agora é um terreno privado e fechado com cerca. Para chegar ali, é preciso ser sócio de um clube esportivo. Naquele outro lado havia um bar, uma lavanderia e lojas, todos tocados por irmãos negros; agora, só tem essas casinhas de papelão.”
Como organizador de lutas sociais, Marshall enfrenta outra realidade da gentrificação: enquanto, em dez anos, os aluguéis aumentaram entre 50% e 100%, dependendo do bairro, sobretudo por causa da desregulamentação do mercado especulativo das casas de veraneio e da proliferação do Airbnb, o salário mínimo, do qual vive grande parte dos negros na cidade, não aumentou. Ainda está em US$ 7,25 a hora, o nível mais baixo permitido nos Estados Unidos. Dezenas de milhares de trabalhadores têm de se virar com essa miséria, especialmente nos setores da construção e do turismo. Muitos se levantam às 4 ou 5 horas da manhã para chegar ao trabalho e voltam à noite com US$ 60 no bolso, menos o preço do ônibus. “Que vida é essa? Como você acha que a pessoa está quando chega o fim da semana? Fomos afogados pelo Katrina e, no fim das contas, continuamos nos afogando.”
Marshall e seus camaradas da Stand with Dignity estão mobilizados em torno da reivindicação do salário mínimo de US$ 15, mas na Louisiana essa é uma luta dura. Em março de 2018, o Senado local rejeitou uma enésima proposta para elevar o piso legal de US$ 7,25 para US$ 8. Eles preferem se desdobrar para agradar os patrões. Foram muitos os incentivos fiscais criados para estes ao longo dos anos, chegando agora a 80% do valor inicial das taxas e impostos. Em 2016, no momento de deixar o cargo, o governador republicano Bobby Jindal fez a seguinte confissão pública: “A verdade é que criamos um Estado de bem-estar para as empresas”.
Os interessados podem, portanto, relaxar. Jon Atkinson é o cofundador de um fundo de investimento especializado em “empresas inovadoras”. Desde o meio deste ano, ele preside o Idea Village, um grupo de empreendedores tech sediado no último andar do Museu de Arte Contemporânea, como que para celebrar a aliança entre dinheiro e bom gosto. Ele nos recebe em um ambiente furiosamente start-up, no meio de um open-space cheio de jovens barbudinhos que saboreiam seu café em copinhos recicláveis. Quando veio da Califórnia para estudar, em 2007, Atkinson, que ganha US$ 300 mil por ano, diz ter encontrado a cidade em pleno “período de caos criador de oportunidades”. Quando perguntamos o que ele quer dizer com isso, ele dispara esta preciosidade conceitual: “O Katrina fez de cada habitante um empreendedor. A necessidade de sobreviver obrigou todo mundo a ser criativo. Isso gravou o espírito empreendedor em nosso DNA”.
“Se você consegue matar esta cidade, você consegue matar qualquer cidade”, dizia um morador de New Orleans em 2006.7 Doze anos depois, no final da Canal Street, uma incorporadora de Massachusetts está transformando o World Trade Center em um gigantesco hotel cinco estrelas. A prefeitura contribuiu copiosamente para o financiamento dessa obra de US$ 465 milhões, onde labutam os invisíveis da gentrificação. Em seu site, a incorporadora explica que o restaurante panorâmico que ocupará os dois últimos andares do prédio oferecerá uma “celebração da cultura afro-americana na Louisiana: a música, a comida e as tradições”.

*Olivier Cyran é jornalista e autor, com Julien Brygo, de Boulots de merde! Du cireur au trader. Enquête sur l’utilité et la nuisance sociales des métiers [Empregos de merda! Do sapateiro ao corretor financeiro. Pesquisa sobre a utilidade e o prejuízo social das profissões], La Découverte Poche, Paris, 2018.