Friday, 30 November 2018

Aquecimento Global

ihu
http://www.ihu.unisinos.br/585077-aquecimento-global-nacoes-devem-triplicar-esforcos-para-atingir-meta-de-2-c-conclui-revisao-anual-de-emissoes-globais

Aquecimento Global – Nações devem triplicar esforços para atingir meta de 2 °C, conclui revisão anual de emissões globais

Aquecimento Global

  • Ainda é possível manter o aquecimento global abaixo de 2 ° C, mas a viabilidade técnica de atingir 1,5 ° C está diminuindo.
  • As emissões globais de CO 2 aumentaram em 2017, após um período de três anos de estabilização.
  • Se o hiato de emissões não for fechado até 2030, é extremamente improvável que a meta de temperatura de 2 ° C ainda possa ser alcançada.
A reportagem é do United Nations Environment Programme e reproduzida por EcoDebate, em 29-11-2018. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.


As emissões globais estão aumentando e os compromissos dos países são insuficientes para atingir os objetivos, mas o entusiasmo crescente do setor privado e o potencial da inovação oferecem novos caminhos.
As conclusões fazem parte do Relatório de Emissões de 2018, apresentado esta terça-feira em Paris, França, pela ONU Meio Ambiente.

Conclusões

O principal relatório das Nações Unidas sobre este tema apresenta todos os anos um relatório sobre a lacuna de emissões, a diferença entre os níveis previstos em 2030 e os valores necessários para atingir as metas de 2 °C e 1,5 °C.
Relatório do IPCC destaca que a falta de ações em relação à mudança climática resultará em perdas ainda maiores dos recifes de coral, by Dia Mundial dos Oceanos/Gaby Barathieu (Foto: EcoDebate)
Segundo a pesquisa, as emissões globais atingiram níveis históricos e ainda não refletem sinais de pico, o momento em que as emissões param de aumentar e começam a diminuir.
Os autores afirmam que apenas 57 países, que representam 60% das emissões globais, estão no caminho certo. Conjugados, o aumento das emissões e o atraso nas ações significa que o défice deste ano é maior do que nunca.
A análise “deixa claro que o atual ritmo de ação nacional é insuficiente para atingir as metas do Acordo de Paris.” Os autores concluem que as nações devem triplicar os esforços para atingir os 2 °C, e multiplicar cinco vezes para atingir 1,5 °C.

Aviso

A vice-diretora executiva da ONU Meio Ambiente, Joyce Msuya, disse que se o relatório do Painel Intergovernamental Sobre Mudanças Climáticas, IPCC, “representou um alarme de incêndio global, este relatório é a investigação desse incêndio.”
Segundo Msuya, “a ciência é clara e, apesar de toda a ambiciosa ação climática que tem sido observada, os governos precisam agir com mais rapidez e urgência.” Ela acredita que o mundo alimenta esse fogo enquanto os meios para extingui-lo estão ao alcance.
Uma continuação das tendências atuais deve resultar em um aquecimento global de cerca de 3 °C até o final do século, com a contínua elevação da temperatura depois desse ano.

Ação

Apesar de explicar que ainda existe um caminho para manter o aquecimento global abaixo de 2 °C, o relatório afirma que “o tipo de ação drástica e de grande escala necessária urgentemente ainda não foi visto.”
O relatório oferece um roteiro sobre o tipo de ação transformadora que é necessária, dizendo que tem de envolver governos municipais, estaduais e regionais, empresas, investidores, instituições de ensino superior e organizações da sociedade civil.
Segundo a pesquisa, esses atores não-estatais “estão cada vez mais comprometidos com uma ação climática ousada” e “são cada vez mais reconhecidos como um elemento-chave para alcançar as metas globais de emissões.”

Taxas

Também é sugerida uma política fiscal diferente. O cientista-chefe da ONU Meio Ambiente, Jian Liu, explicou que “quando os governos adotam medidas de política fiscal para subsidiar alternativas de baixa emissão e tributar combustíveis fósseis podem estimular os investimentos certos no setor energético e reduzir significativamente as emissões de carbono.”
Segundo o especialista, o potencial de usar a política fiscal como um incentivo é cada vez mais reconhecido, com 51 iniciativas de taxas de carbono agora em vigor ou programadas, cobrindo cerca de 15% das emissões globais.
O relatório calcula que, se todos os subsídios aos combustíveis fósseis fossem eliminados, as emissões globais de carbono poderiam ser reduzidas em até 10% até 2030.
O relatório foi apresentado uma semana antes da 24ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, COP24, que acontece na Polônia em dezembro.

Leia mais

O "Triplo A" de Bolsonaro e o Acordo do Clima

O "Triplo A" de Bolsonaro e o Acordo do Clima

Andes

Amazônia

Atlântico

IHU
http://www.ihu.unisinos.br/585097-o-triplo-a-de-bolsonaro-e-o-acordo-do-clima

O que vem a ser exatamente o ‘Triplo A’? A expressão vem sendo repetida pelo presidente eleito toda vez que justifica alguma prevenção em relação ao Acordo do Clima. Fiz uma breve pesquisa. Encontrei alguns vídeos no YouTube produzidos por militares ou entidades ligadas a militares que abordam o assunto como um grande ameaça nacional.

O comentário é de André Trigueiro, jornalista, publicado por Mundo Sustentável, 29-11-2018.
O vídeo com mais visualizações (185 mil), assinado por “Hoje no mundo militar”, cita um post no Twitter do Comandante do Exército, General Villas Boas, de 19/9, que reproduzo abaixo:
Não há mais detalhes sobre o assunto no twitter do General. O vídeo do YouTube com mais visualizações conta a seguinte história: a Fundação Gaia (baseada em Londres e supostamente apoiada pelo governo britânico) em parceria com a Fundação Gaia Amazonas (baseada em Bogotá) defenderiam a criação de uma ampla área de proteção ambiental denominado Triplo A que viria dos Andes, alcançaria parte da Amazônia seguindo até o Atlântico. Essa área equivaleria aos territórios da Alemanha, França e Espanha. O narrador informa que seria a maior área de proteção do mundo, e que o plano das ONGs internacionais seria influenciar as comunidades indígenas situadas nesse perímetro, ameaçando a soberania nacional.

Nunca havia ouvido falar, nem remotamente, sobre esse Triplo A. Em nenhum dos relatos sobre o Triplo A que eu acessei (não são muitos, e a maioria deles carece de fonte confiável) vi qualquer relação com o Acordo do Clima, o que seria um absurdo completo, já que as propostas que constituem o Acordo foram apresentadas voluntariamente pelos governos de cada nação, sem qualquer ingerência externa. A meta do Brasil foi criticada por inúmeros ambientalistas por ser considerada tímida, muito aquém das nossas possibilidades.

Ao citar o Triplo A na coletiva de ontem em Brasília em que assume a responsabilidade por ter sugerido a não realização da COP 25 no Brasil, o presidente eleito deu gigantesca publicidade a essa história. Ninguém sabe explicar direito como essa ONG teria tanto poder para ameaçar a soberania brasileira. O fato é que a proposta do Brasil para o Acordo do Clima não tem nada a ver com o tal do Triplo A, nem justificou em 2015 (ano em que o Acordo foi celebrado em Paris) qualquer reação parecida com a deste momento no meio militar. Reproduzo abaixo a proposta oficial do Brasil, apresentada em Paris, e chancelada pelo nosso Congresso Nacional (fonte: Ministério do Meio Ambiente);

“O Brasil comprometeu-se a reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 37% abaixo dos níveis de 2005, em 2025, com uma contribuição indicativa subsequente de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 43% abaixo dos níveis de 2005, em 2030. Para isso, o país se comprometeu a aumentar a participação de bioenergia sustentável na sua matriz energética para aproximadamente 18% até 2030, restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares de florestas, bem como alcançar uma participação estimada de 45% de energias renováveis na composição da matriz energética em 2030”.

Como se vê, não é possível comparar o Acordo do Clima com o propalado Triplo A. Seria ótimo se alguém pudesse explicar melhor o que uma coisa teria a ver com a outra. Em havendo qualquer evidência, baseada em fatos concretos e devidamente embasados, abrirei generosamente esse espaço para a devida divulgação.

Enquanto isso, reservo-me o direito de pensar que a desistência do Brasil em sediar a COP 25 apequena o país, além de sinalizar um rumo sombrio em relação às excelentes oportunidades que a chamada economia de baixo carbono traz para nós.

Quanto ao Triplo A, em não havendo mais explicações do que as que circulam por aí, corre o risco de ficar marcado como fake news.


Leia mais

thiago mello

Nas proximidades da celebração de 70 anos da Declaração dos Direitos Humanos, pedi uma licença poética para evitar a linguagem sexista e ressignificar "Estatuto do Homem" (1964) por estatuto do HUMANO. Perdoe, Thiago de Mello! Mas as mulheres se sentem mais felizes!
  • POEMA: Estatuto do Homem, de Thiago de Mello
  • MÚSICA: AIR  (ária na corda sol),  Johann Sebastian Bach
  • INTERPRETAÇÃO: David Garrett
  • DIREÇÃO VÍDEO: Rafael Martine
  • COMPOSIÇÃO: Michèle Sato
  • https://youtu.be/I4M_w24nqU0

Wednesday, 28 November 2018

O mundo se distancia da meta climática


https://www.cartacapital.com.br/sociedade/o-mundo-se-distancia-da-meta-climatica

Meio Ambiente

O mundo se distancia da meta climática

por Deutsche Welle publicado 28/11/2018 13h11
Após redução de três anos, emissões de gases estufa aumentaram em 2017, aponta relatório do Pnuma
Pixabay
O mundo se distancia da meta climática
As emissões voltaram a subir
Com detalhes do abismo entre a real situação das emissões de gás carbônico e aquela que seria desejável, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) divulgou nesta terça-feira 27 seu relatório anual sobre a emissão de gases de efeito estufa, antes da cúpula climática COP24 na próxima semana na Polônia.
O relatório concluiu que os atuais compromissos assumidos pelos países no Acordo de Paris estão aquém do necessário para manter o aquecimento global abaixo de 2°C. O lapso entre a real situação da proteção climática e aquela que realmente precisa-se alcançar é conhecido como o hiato de emissões.
O Pnuma adverte que, se não for fechado o hiato de emissões até 2030, a possibilidade de limitar o aquecimento a um máximo de 2° Celsius será inacessível. O relatório também levanta preocupações sobre a minguante probabilidade de alcançar o teto de aquecimento de 1,5°C, muito mais desejável.
Se as tendências atuais continuarem como estão, o aquecimento provavelmente atingirá 3,2°C até o final do século, de acordo com os autores do relatório.
Leia também:
Amazônia tem maior área desmatada em uma décadaDescoberto no Brasil dinossauro de pescoço longo mais antigo do mundo

"Se o estudo do IPCC representou um alarme global de incêndio, este relatório é a investigação incendiária", diz em comunicado Joyce Msuya, vice-diretora-executiva do Pnuma. "Estamos alimentando este fogo enquanto os meios para extingui-lo estão ao nosso alcance."
O relatório também destaca como as emissões de CO2 aumentaram em 2017 após uma redução de três anos, refreando o otimismo de que as emissões globais possam estar chegando ao máximo.
Segundo a equipe internacional de cientistas que preparou a avaliação, limitar o aquecimento a 2°C exigiria triplicar os compromissos nacionais assumidos no Acordo de Paris. Isso se destina apenas a atingir a meta de 2°C. Para manter o aquecimento global a 1,5°C, os esforços precisariam ser quintuplicados.
Philip Drost, coordenador do comitê de orientação do relatório, aponta Costa Rica, Suécia e Marrocos como os países "incrivelmente ambiciosos" quando se trata de seus objetivos e esforços.
Ele explica ainda que alguns países que vão além de seus compromissos podem não ter estabelecido metas suficientemente ambiciosas, deixando espaço para melhorias.
"Nem tudo são más notícias", afirma Drost à DW, apontando para a inovação em torno da proteção climática e formas concretas de os países melhorarem seu desempenho. "Todo mundo é capaz de encontrar algo em que podem melhorar."
As áreas sugeridas, onde esse hiato pode ser fechado, incluem o desenvolvimento de energias renováveis, eletrodomésticos e carros energeticamente eficientes e a reversão do desmatamento.
"O relatório mostra que os países têm poucas desculpas", diz Jan Burck, do grupo ambiental alemão Germanwatch, que não participou do estudo. "As energias renováveis são muito baratas, a proteção climática traz fortes cobenefícios – como o ar mais limpo – e as vantagens para o desenvolvimento sustentável são evidentes."
Ele acrescentou que uma rápida e completa eliminação do carvão seria decisiva para fechar o hiato.
A política fiscal, especialmente a precificação de carbono, também foi um dos principais focos do relatório.
Brigitte Knopf, secretária-geral do Mercator Research Institute e um dos 20 autores do relatório, diz que o "hiato político" deve ser abordado. "Eliminar os subsídios aos combustíveis fósseis e estabelecer um preço nas emissões de carbono seriam fundamentais para fechar essa lacuna e cumprir o Acordo de Paris", disse Knopf em comunicado.
Tecnologias inovadoras também foram consideradas cruciais: o Pnuma apontou para um "impulso crescente do setor privado" como um ponto de otimismo.
Segundo o relatório, é tecnicamente possível preencher o hiato de emissões, o que implica que a verdadeira questão é se há vontade política e econômica para realizar as mudanças necessárias.
"Vontade política – no final, essa sempre é a questão", diz Drost. "É realmente difícil prever o que esta COP trará."
Embora o relatório tenha a intenção de influenciar a COP24 na próxima semana e disponibilizar muitas soluções, ainda não se sabe se tal alerta causará verdadeiras mudanças políticas entre as nações

Brasil em mudança, para pior

https://jornalistaslivres.org/brasil-em-mudanca-para-pior/

Brasil em mudança, para pior

Estudo da Oxfam Brasil aponta crescimento nas desigualdades brasileiras

por André Teixeira - Oxfam Brasil
“País estagnado”, título do novo estudo da Oxfam Brasil, pode dar ideia da ausência de crescimento econômico, mas tem, sobretudo, o sentido de uma sociedade com dificílima mobilidade social. O Brasil, retratado nos dados apresentados, é um país com estruturas que mantêm e aprofundam as desigualdades no plural: desigualdade na representação política, desigualdade de renda, desigualdade tributária, desigualdade regional, desigualdades entre mulheres e homens, entre negros e brancos, entre ricos e pobres.
“O sistema [brasileiro] não só mantém, como aumenta as desigualdades”, assinala Oded Grajew, presidente do Conselho Deliberativo da Oxfam Brasil. Não há país que dê certo com esse grau de desigualdade, não há como sermos um país decente com as desigualdades que historicamente oprimem nossa população, complementa.
O primeiro slide da apresentação de Rafael Georges, responsável pela redação do relatório País Estagnado: um retrato das desigualdades brasileiras 2018, enumera as mudanças para pior nos indicadores das desigualdades:

Brasil é o 9o. país mais desigual do mundo
Apenas África do Sul, Botsuana, Zâmbia, República Centro-Africana, Lesoto. Moçambique e Reino de Eswatini (ex-Suazilândia) são mais desiguais que o Brasil.
A desigualdade na distribuição de renda de uma sociedade ou de um país é medida pelo Índice de Gini. O índice é construído de modo a ficar entre zero e um. Quanto mais alto o valor do índice, maior a concentração da renda nas mãos de poucas pessoas, ou seja, mais desigual a distribuição de renda.
Atualmente, o país mais desigual do mundo é a África do Sul, que tem Índice de Gini igual a 0,63. O Brasil, o 9o. país com maior concentração de renda, tem 0,513. Para se ter uma ideia os países mais justos, como Noruega, Islândia, Suécia, Finlândia, Holanda e Dinamarca, têm Índices de Gini inferiores a 0,30.
No comparativo global, entre mais de 150 países, caímos, em 2017, da 10a. para a 9a. posição entre países mais desiguais do planeta.
População pobre cresce 1 milhão e 700 mil pessoas (11%) de 2016 para 2017
“Sob o critério-base do Banco Mundial, de US$ 1,90 por pessoa/dia, havia cerca de 15 milhões de pobres no país em 2017, 7,2% da população, um crescimento de 11% em relação a 2016 quando havia 13,3 milhões de pobres (6,5% da população)”, afirma o relatório.
Renda das mulheres cai, em relação à dos homens, pela primeira vez em 23 anos.
“Segundo dados das PNAD contínuas, mulheres ganhavam cerca de 72% do que ganhavam homens em 2016, proporção que caiu para 70% em 2017. Trata-se do primeiro recuo em 23 anos”, revelam.
Mais alarmante ainda é a constatação de que o Brasil tem um Índice de Desigualdade de Gênero (IDG) de 0,407. Ao verificarmos países como Noruega, Holanda, Suíça e Dinamarca encontramos índices abaixo de 0,05. A República do Niger, país com um dos piores IDG do mundo (0,649) tem 17% das cadeiras do Parlamento ocupadas por mulheres, enquanto que o Brasil tem apenas 11,3%. A média da América Latina e Caribe é mais do que o dobro do percentual brasileiro: 28,8% dos mandatos são das mulheres.
O IDG, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), é construído com dados de mortalidade materna, maternidade na adolescência, participação no Parlamento, participação na educação secundária e participação no mercado de trabalho. O valor zero indicaria uma perfeita igualdade entre homens e mulheres.
A média dos salários dos negros é quase a metade da média dos brancos
Para ser exato, os negros ganharam em média, em 2017 no Brasil, o valor de R$ 1.545,30 por mês. Os brancos, por outro lado, ganharam R$ 2.924,31. A relação é de 53%, ou quase a metade. Em 2016, os negros ganhavam 57% do rendimento médio dos brancos.
A mortalidade infantil, em queda há 26 anos, subiu quase 5% em 2016
O estudo aponta mais uma regressão preocupante: “Em 2016, pela primeira vez desde 1990, o Brasil registrou alta na mortalidade infantil, que subiu de 13,3, em 2015, para 14 mortes por mil habitantes (4,9% a mais que o ano anterior). Além disso, houve uma escalada da pobreza no país, retrato de injustiças que há pouco tempo estavam em trajetória de superação.”
A renda média da metade mais pobre da população foi de R$ 787,69 por mês
A renda média da metade mais pobre foi de R$ 787,69, menor, portanto, que o salário-mínimo de R$ 937, vigente em 2017. Além disso, o conjunto dos 10% de trabalhadores mais pobres do país tiveram uma perda em seus rendimentos superior a 11%, de 2016 para 2017. Esse grupo tem uma renda média mensal de R$ 198,03, abaixo da linha de pobreza definida pelo Banco Mundial.
Os mais pobres pagam, percentualmente, menos imposto diretos, mas sua carga se equipara à dos ricos quando se agregam os impostos indiretos
O Brasil é um dos pouco países que baseiam sua arrecadação fortemente em impostos indiretos e regressivos. A tributação indireta é aquela embutida nos preços que os consumidores pagam pelos produtos e serviços que consomem. O termo regressivo indica a tributação pesa percentualmente o mesmo ou mais nos bolsos dos mais ricos e dos mais pobres.
O gráfico abaixo mostra os impostos diretos, em verde-escuro, e os impostos indiretos, em verde-claro, por diferentes classes de renda, cor do chefe da família e arranjo familiar. A soma dos dois dará o percentual total da renda do indivíduo que será pago em forma de tributos. Reparemos que o percentual total para os 20% mais ricos da população veriam entre 19% e 24% da renda. Por outro lado, entre os 40% mais pobres o percentual total situa-se entre 17% e 25% da renda.

A tributação indireta, ao contrário de corrigir, promove a desigualdade. Diz o relatório: “A característica que mais chama atenção é o papel regressivo da tributação indireta nos grupos de baixa renda. Ela aumenta a carga tributária de famílias e indivíduos que estão entre os 40% mais pobres para os mesmos patamares daqueles que estão entre os 20% mais ricos, revelando a incapacidade do sistema tributário brasileiro de tratar de maneira desigual os desiguais, corrigindo assim desníveis de renda.”
O teto de gastos, imposto pela Emenda 95, fará crescer o sofrimento dos mais pobres
O estudo aponta os riscos da medida aprovada pelo governo Temer: “a solução do Teto de Gastos é puramente fiscal, e a EC95 está disposta a perder uma geração pela incapacidade de debater mais profundamente direitos e privilégios no orçamento público de maneira mais ampla. O risco maior desta medida – que foi pensada para o longo prazo, restringindo prioridades a diferentes governos e em desconhecidos contextos – recai sobre a base da pirâmide social, pela dependência da saúde, assistência e educação pública entre outros. Mais que isso, essa medida põe em risco os direitos presentes em nossa Constituição, que garantem o acesso universal à saúde e educação. Neste sentido, o Teto de Gastos trará consequências desastrosas para o país em termos de pobreza e desigualdade”.
A agenda para redução das desigualdades passa pela reversão de privilégios
Em suas propostas para os próximos tempos, o estudo aponta a necessidade da reversão de privilégio: “há um grande espaço e uma inegável urgência para a reversão de privilégios no Brasil. Há décadas, os mais ricos detêm uma enorme fatia da renda nacional, seja em contexto de crise ou de bonança. Isenções fiscais, benevolentes benefícios e relações de compadrio com o Estado marcam a composição da renda do topo da pirâmide social, enquanto o país tem um dos piores níveis de mobilidade social do planeta. Portanto, é imperativo que soluções para as contas públicas perpassem pelo cerne da questão, ou seja, a real discussão redistributiva no país, inserindo os direitos da base da pirâmide social na equação fiscal.”
Bastaria cumprir a Constituição
Oded Grajew espera que o futuro presidente da República, “como fiel seguidor da Constituição”, cumpra seu artigo 3o, que dispõe:
“Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: construir uma sociedade livre, justa e solidária; garantir o desenvolvimento nacional; erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais; promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.”
Nota: Para ter acesso ao relatório “País Estagnado: um retrato das desigualdades brasileiras 2018”: https://www.oxfam.org.br/pais-estagnado

Estudo comprova que atividades humanas causam terremotos mortais


https://www.nationalgeographicbrasil.com/meio-ambiente/2017/10/estudo-comprova-que-atividades-humanas-causam-terremotos-mortais?fbclid=IwAR2BS81WsLK5kxHaWHAu2ikgEkGGPis3WBTJwyUzQhcNeM0sRBAeEzFnLR8




Estudo comprova que atividades humanas causam terremotos mortais

Mineração, construção de barragens e perfuração por fraturamento hidráulico são os principais responsáveis. Quarta-feira, 8 Novembro

Por Sarah Gibbens
Terremotos causados por atividade humana
Terremotos são muitas vezes vistos como forças imprevisíveis e totalmente naturais, mas esse conceito pode estar mudando.
Estudo publicado pela revista Seismological Research Letters identificou 730 locais onde a atividade humana causou terremotos nos últimos 150 anos. E, embora saibamos há muito tempo que as pessoas podem influenciar atividades sísmicas, pesquisadores ficaram surpresos ao descobrir que a atividade humana induziu terremotos com magnitudes elevadas, chegando a 7,9. Além disso, o número de terremotos está claramente aumentando em algumas regiões do mundo.
Assim como os terremotos causados pela natureza, os induzidos pelo homem têm potencial para serem perigosos, até mesmo mortais. Geólogos estão apenas começando a entender o impacto desses abalos sísmicos nas pessoas e no meio ambiente.
Eis o que sabemos:

QUAIS ATIVIDADES HUMANAS PODEM CAUSAR TERREMOTOS?

Os efeitos dos terremotos induzidos pelo ser humano podem ser semelhantes aos criados pela natureza, mas com frequência são vistos em regiões com pouca ou nenhuma atividade sísmica anterior. A maioria dos terremotos naturais ocorrem ao longo de falhas geológicas, encontradas quase sempre (mas não só) onde diferentes placas tectônicas se tocam. No entanto, terremotos causados pela atividade humana podem acontecer longe das extremidades das placas tectônicas.
A causa específica de cada terremoto induzido depende do tipo de atividade humana.
De acordo com dados do relatório, disponível em banco de dados público, a mineração causou o maior número de terremotos induzidos pelo homem em todo o mundo (muitos terremotos se concentram em 271 locais). A remoção de material da Terra pode causar instabilidade e levar a colapso repentino do solo, desencadeando terremotos.
167 terremotos foram desencadeados pelo que o relatório chama de represamento de reservatórios de água ou construção de barragens. Esses são, de longe, os mais perigosos. Em 2008, estima-se que 80 mil pessoas morreram ou desapareceram após um terremoto de 7,9 na província chinesa de Sichuan. Cientistas acreditam que o abalo foi desencadeado pelo peso de 320 milhões de toneladas de água do reservatório de Zipingpu sobre uma falha geológica bem conhecida.
Nos Estados Unidos, o debate em torno de terremotos induzidos por humanos tem se concentrado em torno de perfurações para buscar petróleo e gás natural – técnica conhecida como fraturamento hidráulico, ou fracking – devida à rápida disseminação da tecnologia em muitos estados americanos. De acordo com uma pesquisa geológica dos EUA, essas perfurações podem gerar atividades sísmicas, tanto diretamente quanto através do descarte de águas residuais usadas no processo – o subproduto de mistura de água, areia e produtos químicos usados para fazer a retirada de hidrocarbonetos da rocha hidraulicamente. Essas águas residuais, aliadas à alta pressão, podem quebrar rochas e lubrificar falhas.
No estudo, os autores encontraram 29 locais onde os terremotos foram induzidos por perfurações, 36 por eliminação de águas residuais pós-perfurações e 12 por eliminação inespecificadas de águas residuais de petróleo e gás. No caso de Oklahoma, que sofreu grande número de perfurações, centenas de pequenos terremotos são observados anualmente em uma região que anteriormente era geologicamente silenciosa.
Terremotos também foram causados por explosões nucleares em 22 locais. Outros dois foram identificados em canteiros de obra.
"Todos projetos antropogênicos influenciam as forças que atuam na crosta terrestre", disse Miles Wilson, geofísico da Universidade de Durham, que coletou os dados do estudo. "Se adicionamos ou removemos massa no solo, por exemplo, não deveria ser uma surpresa que a Terra responda a essas mudanças e que, em alguns casos, os terremotos sejam a resposta".

POR QUE ELES ESTÃO AUMENTANDO?

Wilson compilou registros de terremotos induzidos por humanos de um século e meio atrás. O site permite que visitantes encontrem terremotos por data ou região ou pesquisem por dados como magnitude, localização e causa.
Se acharem relevantes, os usuários também podem enviar casos para serem analisados e adicionados à lista.
O banco de dados inclui 108 locais que sofreram com terremotos induzidos por humanos na última década, variando em eventos de pequena magnitude a terremotos de até 5,8. A maioria deles ocorreu nos EUA e no Canadá, causados pela eliminação de resíduos de perfurações no solo.
"A longo prazo, podemos começar a ver mais casos de atividades sísmicas induzidas em todo o mundo à medida que aumentamos o número e escala de projetos antropogênicos que impactam a Terra", disse Wilson.
A mineração também deverá aumentar em escala. As minas de hoje são maiores e percorrem quilômetros no subsolo. Essa atividade pode levar a mais instabilidade na Terra e a terremotos cada vez maiores, adverte Wilson.
Às vezes, “atividades antropogênicas podem ser a gota d’água que libera a pressão acumulada”, disse o geólogo.

O QUE PODEMOS ESPERAR?

O trabalho de Wilson na Universidade de Durham foi parcialmente encomendado por uma empresa holandesa de petróleo e gás chamada Nederlandse Aardolie Maatschappij BV, interessada em potenciais impactos de seu trabalho. “Ao entender melhor os terremotos, os engenheiros podem trabalhar para minimizá-los”, sugere Wilson.
É improvável que as pessoas parem de escavar a Terra, ou de injetar águas residuais no solo, pelo menos não no futuro próximo. Porém, Wilson diz que podemos nos preparar melhor para evitar desastres maiores, como o terremoto que ocorreu na China em 2008.

O semiocapitalismo

http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/570100-o-semiocapitalismo

O semiocapitalismo

Revista ihu on-line

30 Julho 2017
“O nível de predomínio do capital financeiro na atualidade é esmagador e constitui o eixo central da acumulação contemporânea, até praticamente reduzir a produção de objetos materiais ou imateriais à periferia na busca de rentabilidade. O semiocapitalismo [capitalismo semiótico] se tornou o ponto máximo de abstração do capital, impactando direta e fulminantemente sobre indivíduos que vivem, cada vez mais, no interior de realidades virtuais e sob o signo da desmaterialização dos vínculos intersubjetivos”, escreve o filósofo Ricardo Forster, analisando a obra Fenomenología del fin. Sensibilidad y mutación conectiva, de Franco “Bifo” Berardi, filósofo, escritor e agitador cultural italiano.

A análise é publicada por Página/12, 28-07-2017. A tradução é do Cepat.

Eis o artigo.

O semiocapitalismo se tornou o ponto máximo de abstração do capital, impactando direta e fulminantemente sobre indivíduos que vivem, cada vez mais, no interior de realidades virtuais e sob o signo da desmaterialização dos vínculos intersubjetivos
Leio, não sem começar a me perguntar algumas coisas que me remetem a nossa atualidade, o último livro de Franco “Bifo” Berardi, Fenomenología del fin. Sensibilidad y mutación conectiva, no qual esmiúça a época da digitalização e do predomínio da financeirização do mundo, não sem derramar, ao menos sobre mim, uma sutil dose de pessimismo civilizatório, que conduz mais à melancolia que à rebelião.

Não por isso, deixa de ser um livro valioso e agudo em sua tentativa de cartografar a obscura complexidade de nossa época. Detenho-me em um dos tantos parágrafos de um texto inquietante: “O ponto crucial da crítica de Baudrillard é o fim da referencialidade e a (in)determinação do valor. Na esfera do mercado, as coisas não são consideradas a partir do ponto de vista de sua utilidade concreta, mas, ao contrário, a partir de sua permutabilidade e seu valor de troca. De maneira similar, na esfera da comunicação, a linguagem é comercializada e valorizada como performance. É a efetividade, e não o valor de verdade, a regra da linguagem na esfera da comunicação. É a pragmática, e não a hermenêutica, a metodologia para compreender a comunicação social, especialmente na era dos novos meios de comunicação” (pág. 175).

Nestas reflexões de Berardi se manifesta o processo que, no interior da modernidade burguesa, chegou, séculos depois, ao que ele denomina “semiocapitalismo” [capitalismo semiótico], esta etapa na qual o signo linguístico se emancipou plenamente de qualquer referencialidade para se deslocar por uma espacialidade na qual a abstração domina.

Citando Jean Baudrillard – que não costuma ser citado, ultimamente, para além do valor antecipatório de muitas de suas análises -, diz que o filósofo francês “propôs uma semiologia geral da simulação baseada na premissa do fim da referencialidade, tanto na economia como no campo linguístico. Em O espelho da produção, escreve: ‘[...] a necessidade, o valor de uso e o referencial ‘não existem’: não passam de conceitos produzidos e projetados em uma dimensão genérica pelo próprio desenvolvimento do sistema de valor de troca’. O processo de autonomização do dinheiro, que é a principal característica do capitalismo financeiro, pode se inscrever no marco geral da emancipação da semiose da referencialidade” (págs. 172-173).
Os sujeitos sujeitados no interior desta lógica do capital são, agora, falados por esta configuração feita de algoritmos, figuras e diferenças digitais. A armadilha já foi construída e caímos em suas redes. Seremos capazes de romper seus nós?
O capital financeiro não só constitui o ponto mais avançado da “abstração”, já destacado por Marx, como também, na perspectiva da comunicação, introduz, de forma radical, a autonomização do signo e de seu impacto na produção artificial de conteúdos imateriais que, no entanto, definem o vínculo com a realidade determinando a busca de rentabilidade por parte de um capital que abandonou a esfera da produção para se centrar na esfera financeira. Ao se evaporar a referencialidade, o que também se encerra é a vinculação argumentativa, abrindo passagem à fabricação de sujeitos impulsionados por signos vazios e abstratos que impactam de cheio na dimensão afetiva e sensível.

“Todos os signos – escreve Baudrillard, em “A troca simbólica e a morte” – se permutam entre si, daqui por diante, sem se permutar por algo real (e não se permutam bem, não se permutam perfeitamente entre si, a não ser na condição de não se permutar por algo real)”. Pensar as estratégias comunicacionais é adentrar nesta hipérbole do signo, na qual a operação de deslocamento se consumou de forma definitiva, impactando de cheio na subjetivação de indivíduos que estabelecem vínculos com “a realidade” por meio desta “emancipação do signo de sua função referencial”. Na era da “pós-verdade”, tudo pode ser dito e convertido em “verdade irrefutável”. Romper esta nova forma de feitiço constitui o desafio mais árduo e difícil de qualquer projeto de libertação.

O perigo é que a dimensão real e imaginária deste ‘transtrocamento’ da materialidade em abstração acabe por ser aceita pelos sujeitos como a efetiva “realidade”, sem chances de se subtrair desta colonização cada vez mais profunda. “A virtualização financeira – diz Berardi – é o último passo na transição para a forma do ‘semiocapital’. Nesta esfera, aparecem dois novos níveis de abstração, como fruto da abstração do trabalho, a respeito da qual Marx escreveu (...). A abstração digital soma uma segunda camada à abstração capitalista. A transformação e a produção já não acontecem no campo dos corpos, da manipulação material, mas, sim, no da pura interação autorreferencial entre máquinas informáticas. A informação toma o lugar das coisas e o corpo fica eliminado do terreno da comunicação (...). Depois, há um terceiro nível de abstração, que é o da abstração financeira. As finanças (...) se desvincularam da necessidade da produção. O processo de valorização do capital, ou seja, aquele que aumenta o dinheiro investido, já não passa pela instância da produção do valor de uso ou, inclusive, pela produção física ou semiótica de bens” (págs. 176-177).

De qualquer modo, Giovanni Arrighi, em seu livro O longo século XX, já havia destacado que em cada uma das etapas ou ciclos atravessados pelo capitalismo, desde sua primeira estação genovesa, era possível constatar um traço comum a todas: que em seus períodos de declive se produzia, no centro hegemônico de cada época, um deslocamento do capital comercial e produtivo para o capital financeiro (isso aconteceu com Gênova, Holanda, Grã-Bretanha e, atualmente, com Estados Unidos que, segundo Arrighi, constituem os quatro ciclos de acumulação que definem o percurso histórico da economia-mundo capitalista). Traço mais que interessante – aquela condição de hegemonia financeira nas épocas de decadência, em cada etapa do capital – que nos permite antecipar a crise, talvez terminal, do ciclo dominado pelos Estados Unidos. É como se no corpo imaterial do capitalismo já estivesse escrito, desde seus começos no século XVI, a significação decisiva da financeirização como núcleo último de seu desdobramento histórico e como marca de sua condição crepuscular.
O nível de predomínio do capital financeiro na atualidade é esmagador e constitui o eixo central da acumulação contemporânea
Claro que, e nisto é preciso dar razão a Berardi, o nível de predomínio do capital financeiro na atualidade é esmagador e constitui o eixo central da acumulação contemporânea, até praticamente reduzir a produção de objetos materiais ou imateriais à periferia na busca de rentabilidade. O semiocapitalismo se tornou o ponto máximo de abstração do capital, impactando direta e fulminantemente sobre indivíduos que vivem, cada vez mais, no interior de realidades virtuais e sob o signo da desmaterialização dos vínculos intersubjetivos.

Berardi acrescenta que a depredação do mundo real se tornou possível, em toda a sua extensão, no exato momento em que o capital pôde prescindir da produção de coisas úteis para se centrar, quase com exclusividade, na dimensão abstrata da circulação e investimento monetário. “A separação do valor de um referencial conduz à destruição do mundo existente” (pág. 178). O domínio da abstração generalizada como traço decisivo da etapa neoliberal não só avança sobre uma depredação do mundo real, como também deixa sem capacidade de reflexão e, portanto, de crítica, a uma humanidade que é incapaz de compreender os mecanismos que definiram uma atualidade demolidora, sobre a qual parece impossível intervir em um sentido político.

Slavoj Zizek, por sua vez, também insiste neste caráter desmaterializador e supostamente não ideológico do capitalismo contemporâneo, um caráter que se torna indecifrável para o indivíduo presos nas volumosas, mas invisíveis malhas do consumo e da virtualidade, a trama de dominação que segue exercendo seu grande poder sobre os corpos e a natureza, ao mesmo tempo em que promove uma “verdade-sem-significado que se adapta, sem inconvenientes, à era da digitalização e da comunicação de massas.
Não existe nenhuma ‘cosmovisão capitalista’, nenhuma ‘civilização capitalista’ propriamente dita: a lição fundamental da globalização consiste precisamente em que o capitalismo consegue se adaptar a todas as civilizações, desde a cristã até a hindu ou a budista, do Oriente ao Ocidente
Em Problemas no paraíso. Do fim da história ao fim do capitalismo, [Zizek] destaca que talvez “seja aqui onde deveríamos localizar um dos principais perigos do capitalismo: ainda que seja global e abarque todo o mundo, mantém uma constelação ideológica stricto sensu sem mundo, privando a grande maioria das pessoas de qualquer mapa cognitivo significativo. O capitalismo é a primeira ordem socioeconômica que destotaliza o significado: não é global em nível de significado. Além do mais, não existe nenhuma ‘cosmovisão capitalista’, nenhuma ‘civilização capitalista’ propriamente dita: a lição fundamental da globalização consiste precisamente em que o capitalismo consegue se adaptar a todas as civilizações, desde a cristã até a hindu ou a budista, do Oriente ao Ocidente. A dimensão global do capitalismo só pode ser formulada em nível de verdade-sem-significado, como Real do mecanismo global de mercado” (pág. 16). Essa destotalização do significado corresponde ao abandono da ação reflexiva de parte de sujeitos carentes daqueles instrumentos promovidos pela ilustração e que permaneceram como restos arqueológicos de uma história vazia de conteúdo.

Há uma asfixia da compreensão que é proporcional à complexidade tecnológica, a partir da qual se deslocam os infinitos fluxos do capital financeiro pela abstração do éter informacional. É como se aquele sujeito da ilustração tivesse se transformado em um indivíduo passivo, que é falado por uma realidade desmaterializada, na qual só parece imperar o reino da ficção e da artificialidade. Nada permanece da aposta kantiana que postulava indivíduos autônomos e soberanos. O semiocapitalismo se move, sem inconvenientes, no interior de uma sociedade presa nas redes do binarismo digital.
O semiocapitalismo se move, sem inconvenientes, no interior de uma sociedade presa nas redes do binarismo digital.
Bifo Berardi disse isto de um modo direto e preocupante: “Hoje em dia, a tecnologia digital se baseia na inserção de memes neurolinguísticos e dispositivos automáticos na esfera da cognição, na psique social e nas formas de vida. Tanto metafórica com literalmente, podemos dizer que o cérebro social está sofrendo um processo de cabeamento, mediado por protocolos linguísticos imateriais e dispositivos eletrônicos. Na medida em que os algoritmos se tornam cruciais na formação do corpo social, a construção do poder social se desloca do nível político da consciência e a vontade, ao nível técnico dos automatismos localizados no processo de geração de intercâmbio linguístico e na formação psíquica e orgânica dos corpos” (pág. 34).

Fenomenologicamente, isto pode ser observado nas estratégias desenvolvidas pelos meios de comunicação na hora de construir dispositivos que operam sob a lógica dos memes neurolinguísticos, aos quais Berardi faz referência, buscando, justamente, saltar a cristalizada capacidade reflexiva dos telespectadores ou dos usuários da internet e de redes sociais, até atingir sua mais profunda sensibilidade, onde as respostas se vinculam ao gesto automático que se manifesta como um antes e, por que não, como um bloqueador de qualquer ação argumentativa.
Chamo de semiocapitalismo a atual configuração da relação entre linguagem e economia. Nesta configuração, a produção de qualquer bem, seja material ou imaterial, pode ser traduzida a uma combinação e recombinação de informação (algoritmos, figuras, diferenças digitais)
Mais adiante, e seguindo sua desconstrução da era digital, Berardi especifica melhor sua definição da atual etapa da sociedade dominada pela confluência do semiológico e do financeiro: “Chamo de semiocapitalismo a atual configuração da relação entre linguagem e economia. Nesta configuração, a produção de qualquer bem, seja material ou imaterial, pode ser traduzida a uma combinação e recombinação de informação (algoritmos, figuras, diferenças digitais). A semiotização da produção social e do intercâmbio econômico implica uma profunda transformação no processo de subjetivação. A infosfera atua diretamente no sistema nervoso da sociedade, afetando a psicoesfera e a sensibilidade em particular. Por esta razão, a relação entre economia e estética é crucial para entender a atual transformação cultural” (pags. 127-128).

A massa dos cidadãos-consumidores se movimenta no interior deste processo de estetização do mundo, que corresponde ao que Nicolás Casullo chamava de “culturalização da política”, perspectiva que nos leva diretamente à influência decisiva que se estabeleceu entre as esferas da linguagem e da economia no interior do semiocapitalismo, uma categoria perturbadora que busca decifrar a fabricação de subjetividade e os novos dispositivos da servidão voluntária, que já não se desdobra na dimensão exclusiva da imagem, mas penetra nos interstícios da linguagem até atingir seu núcleo mais profundo e inconsciente. Os sujeitos sujeitados no interior desta lógica do capital são, agora, falados por esta configuração feita de algoritmos, figuras e diferenças digitais. A armadilha já foi construída e caímos em suas redes. Seremos capazes de romper seus nós?

Leia mais

*

Friday, 23 November 2018

One simple reason we aren’t acting faster on climate change?

guardian
http://www.bbc.com/future/story/20181115-why-climate-change-photography-needs-a-new-look


One simple reason we aren’t acting faster on climate change?

Images like that of a polar bear on a melting ice field are iconic. But in terms of getting people to act on climate change, they may be ineffective. Here’s why.
We’ve all seen how powerful images can make abstract crises feel concrete. Think of the photographs of a Chinese man blocking a column of tanks a day after the Tiananmen Square massacre, a naked Vietnamese girl fleeing from napalm in 1972 or of 7-year-old Amal Hussain wasting away from hunger in Yemen. When done well, photographs help people around the world make sense of unseen disasters.
Now close your eyes and try to picture climate change – one of our generation’s most pressing crises. What comes to mind? Is it smoke coming out of power plants? Solar panels? A skinny polar bear?
That’s problematic, says psychologist Adam Corner, director of Climate Visuals, a project that aims to revitalise climate imagery. “Images without people on them are unable to tell a human story,” says Corner.
Researchers have found that images like this one lack a humanising element
Researchers have found that images like this one lack a humanising element that makes them compelling… (Credit: Getty)
…compared to a photograph like this, which shows the local, human impact of pollution
…compared to a photograph like this, which shows the local, human impact of pollution (Credit: Aulia Erlangga/CIFOR)
And that kind of imagery might be a big part of why so few of us are prioritising climate action.
You might also like:
What can I do about climate change?
The Arctic town that is melting away
How climate change will transform business and the work force
Climate change has an inherent image problem. While you can clearly visualise plastic pollution or deforestation, climate change has a less obvious mugshot: the gases that cause global warming, such as carbon dioxide and methane, are colourless, while impacts are slow-paced and not always visually striking.
So in the 1990s, reporters, politicians and others began using the sort of imagery that would help us begin to grasp the situation. That idea helped us understand the subject then. But it now needs revamping. For one thing, climate impacts are more evident now: take the frequency of wildfires, coastal flooding, droughts and heat waves.
Because most people aren’t that familiar with how coral should normally look
Because most people aren’t that familiar with how coral should normally look, researchers found that an image like this one, of coral bleaching, had less impact… (Credit: Getty)
a real person doing research on climate change’s impact on the coral
…than an image like this one, which shows a real person doing research on climate change’s impact on the coral (Credit: NPS)
But another reason to update climate change’s visuals is that, for the general public, ‘traditional’ climate images aren’t that compelling.
Wondering if there was a better way to tell climate change stories, Climate Visuals tested what effect iconic climate images – like that lonely polar bear – really had.
Although iconic, an image of an animal most people have never seen
Although iconic, an image of an animal most people have never seen, living in a place they have never been, may not be as effective… (Credit: Getty)
The search for Hurricane Katrina survivors
…as this image of the search for Hurricane Katrina survivors, which shows the impact of climate change in a more recognisable environment (Credit: Master Sgt Bill Huntington)
After asking people at panel groups in London and Berlin and through an online survey with over 3,000 people, the team concluded that people were more likely to empathise with images that showed real faces – such as workers installing solar panels, emergency respondents helping victims of a typhoon or farmers building more efficient irrigation systems to combat drought.
The researchers found that images like this one often don’t make an impact on the viewer
The researchers found that images like this one often don’t make as much of an impact on the viewer… (Credit: Getty)
as this kind of image
…as this kind of image, which participants thought was an intriguing take on solar energy that encouraged them to want to know more (Credit: Dennis Schroeder/NREL)
It also helped when photographs depicted settings that were local or familiar to the viewer, and when they showed emotionally powerful impacts of climate change.
Respondents in their study were also cynical of ‘staged’ pictures… and of images with politicians.
Climate Visuals’ quest is not entirely new. For over a decade, scholars have analysed the way NGOs and governments represent climate change visually, examined how the public reacts to different types of images and come up with new approaches. What it’s done differently, though, is to create the world’s largest climate image library based on those lessons.
Researchers found that a picture like this one, which highlights an individual behaviour
Researchers found that a picture like this one, which highlights an individual behaviour, can create a defensive reaction in the viewer… (Credit: Getty)
Pork meat production (Credit: Qilai Shen/Panos Pictures)
..while a striking image like this, which shows high-emissions meat production at scale, was more effective (Credit: Qilai Shen/Panos Pictures)
And for better or for worse, it’s no longer that difficult to find human-led photographs of the consequences of climate change.
“The stories we need to tell are all around us in a way they were not 20 years ago when the polar bear became an icon,” says Corner.
--
Diego Arguedas Ortiz is a science and climate change reporter for BBC Future. He is @arguedasortiz on Twitter.
Join 900,000+ Future fans by liking us on Facebook, or follow us on Twitter or Instagram.
If you liked this story, sign up for the weekly bbc.com features newsletter, called “If You Only Read 6 Things This Week”. A handpicked selection of stories from BBC Future, Culture, Capital, and Travel, delivered to your inbox every Friday.

Thursday, 22 November 2018

A questão indígena em 4 minutos



questão indígena em 4 minutos

e uma arte efêmera maravilhosa que deveria ser pemanente





Wednesday, 21 November 2018

ÍNDIA HUYRA

PINDORAMA
artista: GILDÁSIO JARDIM
http://gildasio-35.blogspot.com/
https://www.facebook.com/gildasio.jardim
 



1992 – ÍNDIA HUYRA


“Índia amamenta filhote de porco do mato”, foto de Pisco Del Gaiso, flagrou índia da tribo Guajás, no Maranhão, amamentando filhote de porco do mato criado na aldeia.

Com o filho Tamataí no colo, a índia Huyra amamenta um filhote de porco queixada, repetindo um hábito dos Guajá de tratar como crianças os filhotes de animais que matam.
As mulheres Guajá amamentam os filhotes dos animais que são pegos nas caçadas. Esses filhotes são chamados de "heimá", palavra cognata de "timbabo", de onde vem "xerimbabo", tal como veio ao português do tupi antigo.

Guajá é uma etnia indígena brasileira que se auto-denomina Awá, palavra que significa Homem, Pessoa ou Gente. Começou a ter contato permanente com o homem branco a partir de 1973 e habita o noroeste do Maranhão nas Terras Indígenas do Alto Turiassu e TI Caru, compartilhadas pelos Ka´apor, Timbira e Guajajara.