Friday, 23 January 2015

Torre para estudos ambientais é construída na Amazônia

amaz
http://amazonia.org.br/2015/01/torre-para-estudos-ambientais-e-construida-na-amazonia/?utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=Not%EDcias+da+Amaz%F4nia+-+23+de+janeiro+de+2015




Torre para estudos ambientais é construída na Amazônia

Com 325m torre utiliza instrumentos de alta tecnologia para monitorar mudanças climáticas por pelo menos 20 anos.
Torre vista do meio da floresta amazônica, em São Sebastião do Uarumã. Ela tem 325 metros de altura, o equivalente a um prédio de 80 andares, e é a mais alta da América do Sul (Bruno Kelly/Reuters)
Torre vista no meio da floresta amazônica. A Torre Atto - nome em inglês para Observatório Amazônico com Torre Alta - vai abrigar instrumentos com a mais alta tecnologia para monitorar a química do ar da Amazônia por pelo menos duas décadas (Bruno Kelly/Reuters)
Um funcionário pinta a torre no meio da floresta amazônica. Quanto mais afastado das grandes cidades o ar fica mais puro. Por essa razão, as torres são instaladas no meio da mata (Bruno Kelly/Reuters)
Floresta amazônica vista do alto da torre. Equipamento vai aumentar mais de mil quilômetros a capacidade dos estudos na região (Bruno Kelly/Reuters)

Pesquisadores sobem a torre no meio da floresta amazônica. Os cientistas procuram entender, entre outras coisas, como funciona a chuva na Amazônia e o quanto ela pode influenciar o aquecimento do planeta Bruno Kelly/Reuters
Floresta é vista do alto da torre em São Sebastião do Uarumã, na Amazônia (Bruno Kelly/Reuters)
Pesquisadores conversam em base ao lado da torre em São Sebastião do Uarumã, na Amazônia (Bruno Kelly/Reuters)
Torre vista durante o pôr-do-sol na Amazônia. O custo total do projeto foi de cerca de R$ 20 milhões, incluindo os R$ 7,5 milhões da construção da torre, além de equipamentos e obras (Andrew Kelly/Reuters)
Foto noturna da torre. Além de outras duas torres de monitoramento de 80 metros foram construídos alojamentos para 25 pessoas e um pequeno laboratório (Bruno Kelly/Reuters)
Fonte: G1
Post a Comment