Sunday, 28 October 2012

California, REDD, carbon trading and Indigenous Peoples

REDD MONITOR
http://www.redd-monitor.org/2012/10/25/california-redd-carbon-trading-and-indigenous-peoples/


California, REDD, carbon trading and Indigenous Peoples

California, REDD, carbon trading and Indigenous Peoples
Last week, REDD-Monitor posted a press release about a delegation of indigenous people who travelled to California to protest about the inclusion of carbon trading in the state’s Global Warming Solutions Act (AB32). This post looks at some of the responses to this “No REDD Tour“.
The aim of this post is to help facilitate discussion about the issues. I’ll post the responses, followed by some of the issues that I think this discussion raises so far. Feel free to raise other issues in the comments below.
17 October 2012: Steve Schwartzman, EDF’s Director of Tropical Forest Policy, wrote that “it’s critically important for these policy makers to hear the great diversity of indigenous voices on the REDD+ issue.”
Schwartzman refers to a letter from 11 indigenous leaders written to CIMI (the Missionary Indigenous Council, a Brazilian NGO) in February 2012. The letter protests an affidavit sent by CIMI to the Federal Prosecutor’s Office in Acre. CIMI’s affidavit claims that indigenous people had been tricked into accepting carbon projects and REDD.
The letter from the indigenous leaders states:
We have at no point decided if we are for or against REDD projects. First we must inform ourselves and our communities of the opportunities and challenges. Both those in favor of and those against REDD must be serious and ethical in conveying correct information and establishing continued dialogue. Those in favor of REDD cannot promote it as something that can resolve all the problems of our communities; those against it cannot terrorize our peoples using western capitalism as a backdrop and creating a climate of distrust and fear based in suppositions and untruths.
Schwartzman refers to a statement made in Durban by the Indigenous Peoples’ Caucus, which includes the Coordination of the Indigenous Organizations of the Amazon basin (COICA). Schwartzman notes that the statement covers “a wide variety of issues including REDD+”. Here’s what the IP Caucus actually says on REDD:
In relation to mitigation and REDD+, indigenous peoples’ rights to land, territories and resources as well as their right to full and effective participation and to FPIC for all mitigation policies, programmes and actions that affect them must be ensured. Capacity building initiatives of indigenous peoples for mitigation must be supported with adequate finance and through appropriate technologies without conditions.
Schwartzman’s article concludes with the comment that,
The NGOs and indigenous peoples visiting California this week offer one set of perspectives on REDD+, but their views should be considered in the context of the spectrum of indigenous organizations currently engaged on these issues, many of whom view REDD+ quite differently.
18 October 2012: Writing on Ecosystem Marketplace, Kelli Barrett and Selene Castillo also refer to the indigenous leaders’ letter to CIMI.
The article uses quotations from various people (some of whom are indigenous) to counter arguments that REDD could lead to a land grab. Laura Soriana, of the Yawanawa indigenous community, for example, says,
“I think that if REDD is done with respect to indigenous rights, first and foremost, respecting territorial rights, that this project is in control, in the power, of the indigenous community, it can really help their community projectsI think this would be a good opportunity.”
19 October 2012: Ecosystem Marketplace posted a statement fromTashka Yawanawa, Chief of the Yananawa people from Acre. He wrote:
With all respect to you all, please stop trying to cause more division among indigenous peoples who either support or do not support REDD or any other projects. The time right now is not to discuss who is in favor and who is not. The time now requires wisdom to confront this dilemma that we are living in this millennium which affects us all.
We are tired of anthropologists, environmentalists, church-related organizations, and other specialists speaking for us and using us for their self-interest. Please respect our self-determination to make our own decisions.
24 October 2012: Friends of the Earth put out a press release urging officials not to include an REDD carbon credits in AB32.
José Carmelio Alberto Nunes (Ninawá), president of the Federation of the Huni Kui people of Acre, Brazil, says he and his wife have received anonymous phone calls warning them, “be careful what you say and who you talk to, or you may have an accident.”
Ninawá says,
“I think my coming to California threatens those interests that hope to make money from REDD. Anyone who speaks out against REDD in Acre is persecuted.
“If I am assassinated for resisting REDD and defending my land, other Ninawás will continue the struggle.”
Here is Ninawá’s presentation as part of the No Redd Tour, talking about the threats to people in Acre who speak out against REDD:
The commentaries from EDF and Ecosystem Marketplace do not mention the fact that the California scheme could allow polluting companies to buy REDD carbon credits to meet part of their emissions reduction targets at home.
Steve Schwartzman refers to the IP Caucus statement released in Durban at COP 17. It includes the following comment:
[A]ny new initiative should not serve as an excuse for states to avoid taking immediate measures to dramatically reduce their carbon emissions at the source.
Which is similar to what the indigenous people who travelled to California are saying.
There are serious risks of indigenous peoples’ and local communities’ rights not being respected in REDD schemes. In Chiapas, for example, Global Justice Ecology Project has reported in detail about how REDD is affecting local communities.
Friends of the Earth has campaigned for several years against REDD as a carbon trading mechanism. They are not, however, telling indigenous peoples what they should or should not do. Rather they are pointing out the flaws in carbon trading mechanisms. On the other hand, neither EDF nor Ecosystem Marketplace are neutral on REDD as a carbon trading mechanism. Both have invested a large amount of money and time in promoting carbon markets.

......................

enviado por gilberto wataramy


Califórnia, REDD, o comércio de carbono e os Povos Indígenas
Por Chris Lang, 25 de outubro de 2012
Na semana passada, o REDD-Monitor publicou um comunicado de imprensasobre uma delegação de indígenas que viajaram para a Califórnia para protestar contra a inclusão do comércio de carbono no estado do Aquecimento Global Solutions Act (AB32). Este post mostra algumas das respostas a este " Tour Nenhuma REDD ".
O objetivo deste post é para ajudar a facilitar a discussão sobre as questões. Vou postar as respostas, seguidos por algumas das questões que eu acho que essa discussão levanta até agora. Sinta-se livre para levantar outras questões nos comentários abaixo.
17 de outubro de 2012: Steve Schwartzman , diretor do FED de Política Florestal Tropical, escreveu que "é extremamente importante para estes decisores políticos para ouvir a grande diversidade de vozes indígenas sobre a questão de REDD +".
Schwartzman se refere a uma carta de 11 líderes indígenas escritos para o CIMI (Conselho Indigenista Missionário, uma ONG brasileira) em fevereiro de 2012. A carta protesta um depoimento enviado pelo CIMI ao Ministério Público Federal no Acre. Depoimento do Cimi afirma que os povos indígenas tinham sido enganado e projetos de carbono e REDD aceitar.
A carta dos líderes indígenas afirma:
Nós em nenhum momento decidiu se somos a favor ou contra projetos de REDD. Primeiro temos que nos informar e nossas comunidades das oportunidades e desafios. Tanto aqueles a favor e os contra REDD deve ser sério e ético em transmitir informações corretas e estabelecer um diálogo contínuo. Aqueles a favor de REDD não pode promovê-lo como algo que pode resolver todos os problemas de nossas comunidades, aqueles contra ele não pode aterrorizar nossos povos usando capitalismo ocidental como pano de fundo e criar um clima de desconfiança e de medo baseado em suposições e inverdades.
Schwartzman refere-se a uma declaração feita em Durban pelo Conclave dos Povos Indígenas , que inclui a Coordenação das Organizações Indígenas da Bacia Amazônica ( COICA ). Notas Schwartzman que a declaração abrange "uma grande variedade de questões, incluindo o REDD +". Aqui está o que o Caucus IP realmente diz sobre REDD:
Em relação à mitigação e REDD +, direitos dos povos indígenas à terra, territórios e recursos, bem como o seu direito à participação plena e efetiva e FPIC para todas as políticas de mitigação, programas e ações que os afetam deve ser assegurada. Iniciativas de capacitação dos povos indígenas para a mitigação devem ser apoiados com um financiamento adequado e através de tecnologias apropriadas, sem condições.
Schwartzman artigo conclui com a observação de que,
As ONGs e os povos indígenas visitando Califórnia esta oferta semana um conjunto de perspectivas sobre REDD +, mas os seus pontos de vista devem ser considerados no contexto do espectro de organizações indígenas envolvidas atualmente sobre estas questões, muitos dos quais vêem REDD + bastante diferente.
18 de outubro, 2012: Escrita na Ecosystem Marketplace , Kelli Barrett e Selene Castillo também se referem a carta, os líderes indígenas a CIMI.
O artigo usa citações de várias pessoas (alguns dos quais são indígenas) para neutralizar argumentos de que o REDD poderia levar a uma apropriação de terras. Laura Soriana, da comunidade indígena Yawanawa, por exemplo, diz:
"Eu acho que se o REDD é feito com respeito aos direitos indígenas, primeiro e acima de tudo, respeitando os direitos territoriais, que este projeto está no controle, no poder, da comunidade indígena, pode realmente ajudar a sua comunidade projectsI acho que isso seria um boa oportunidade. "
19 de outubro de 2012: Ecosystem Marketplace publicou um comunicado de Tashka Yawanawa , chefe do povo Yananawa do Acre. Ele escreveu:
Com todo o respeito a todos, por favor, pare de tentar causar mais divisão entre os povos indígenas que apoiar ou não apoiar o REDD ou quaisquer outros projetos. O tempo agora não é discutir quem é a favor e quem não é. O tempo agora exige sabedoria para enfrentar esse dilema que estamos vivendo neste milênio que afeta a todos nós.
Estamos cansados de antropólogos, ambientalistas, organizações ligadas à igreja, e outros especialistas que falam por nós e nos usar para seu próprio interesse. Por favor, respeitem a nossa auto-determinação para tomar nossas próprias decisões.
24 de outubro de 2012: Amigos da Terra lançou um comunicado à imprensa pedindo funcionários para não incluir um créditos de carbono REDD em AB32.
José Carmelio Alberto Nunes (Ninawa), presidente da Federação das pessoas Huni Kui do Acre, Brasil, diz que ele e sua mulher receberam telefonema anônimo alertando-os chama, "cuidado com o que você diz eo que você fala, ou você pode ter um acidente. "
Ninawa diz,
"Eu acho que a minha vinda para a Califórnia ameaça os interesses que a esperança de fazer dinheiro a partir de REDD. Qualquer um que fala contra REDD no Acre é perseguida.
"Se eu for assassinado por resistir REDD e defender minha terra, Ninawás outros continuará a luta."
Aqui está a apresentação Ninawa como parte do Tour Nenhuma Redd, falando sobre as ameaças a pessoas no Acre que falam contra REDD:

Os comentários do FED e Ecosystem Marketplace não mencionar o fato de que o esquema de Califórnia poderia permitir que empresas poluidoras para comprar créditos de carbono de REDD para cumprir parte de suas metas de redução de emissões em casa.
Steve Schwartzman refere-se à declaração Caucus IP lançado em Durban durante a COP 17. Ele inclui o seguinte comentário:
[A] ny nova iniciativa não deve servir como desculpa para que os Estados evitem tomar medidas imediatas para reduzir drasticamente as emissões de carbono na fonte.
Que é semelhante ao que os povos indígenas que viajaram para a Califórnia estão dizendo.
Não são sérios riscos de povos indígenas e comunidades locais "direitos não estão sendo respeitados em esquemas de REDD. Em Chiapas, por exemplo, Global Justice Ecology Project tem relatado em detalhes sobre como REDD está afetando comunidades locais.
Amigos da Terra fez campanha durante vários anos contra a REDD como mecanismo de mercado de carbono. Eles não são, no entanto, dizendo povos indígenas o que eles devem ou não fazer. Ao contrário, eles estão apontando as falhas nos mecanismos de comércio de carbono . Por outro lado, nem o FED nem Ecosystem Marketplace são neutros sobre REDD como mecanismo de mercado de carbono. Ambos têm investido uma grande quantidade de tempo e dinheiro na promoção dos mercados de carbono.

Post a Comment