Tuesday, 15 April 2014

A pegada Ecológica e São Pedro de Joselândia: compreensão preliminar



São Pedro de Joselândia, 23 de fevereiro de 2014.  
Giseli Dalla Nora           

                Este relato de pesquisa se refere à expedição de campo realizada pelo grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e Arte – GPEA da Universidade Federal de Mato Grosso, realizados nos dias 20 a 23 de fevereiro de 2014.
                A comunidade de São Pedro de Joselândia fica localizada ao sul do município de Barão de Melgaço sendo, na época da cheia (novembro a maio) quase totalmente alagada ficando com dificuldade de acesso ao local devido ao nível das águas. Segundo dados da Secretaria de Planejamento do Estado de Mato Grosso – SEPLAN, o município de Barão de Melgaço é o 4º município com menor índice de desenvolvimento Humano em 2010 (tabela 01).
                O objetivo dessa atividade de campo é compreender o modo de vida da comunidade de São Pedro de Joselândia observando a Pegada Ecológica. O WWF-Brasil, uma organização não-governamental que tem chamado os brasileiros a pensar na conservação da Natureza, e aponta o conceito de Pegada Ecológica como uma tentativa de medir as “marcas”, “pegadas”, de acordo com a forma que consumimos. (BORBA, 2007).
                Nesse sentido, realizou-se entrevistas com alunos do ensino fundamental e ensino médio sobre o consumo em São Pedro de Joselândia. Foram entrevistados 27 alunos do Ensino Fundamental e Ensino Médio da Escola Estadual Maria Silvina Peixoto de Moura. Destes 27, 21 alunos eram do Ensino fundamental e 06 do ensino médio. Sendo 16 meninas entrevistadas e 11 meninos da faixa etária de 12 a 18 anos.
                Durante a entrevista perguntou-se sobre os problemas ambientais que eles conheciam na comunidade e a maior parte das respostas se referia ao lixo, ao desmatamento, as queimadas, ou seja, os alunos da comunidade de São Pedro de Joselândia percebem como problema ambiental o lixo, o desmatamento e as queimadas. Problemas apontados pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente como os mais graves e mais recorrentes no estado de Mato Grosso.
                Quando perguntados sobre o que eles poderiam fazer para ajudar a diminuir estes problemas ambientais vários se prontificaram a melhorar o destino do lixo, vendo a melhor forma de acondicionar o lixo, outros apontaram que poderia ser com campanhas de conscientização de consumir menos, energia, produtos e carne. Além de cobrar do poder público, ações que ajudem na preservação e conservação ambiental.
                Como integrante da pesquisa o tema das mudanças climáticas globais também esta em voga, deixando claro que o fenômeno das mudanças climáticas esta em evidencia e atingirá a todos de maneira direta  ou indireta. Quanto ao tema mais de18 alunos já ouviram falar em mudanças climáticas e 09 nunca ouviram falar. Os 18 alunos que ouviram falar tiveram acesso a informação pela televisão e também na escola.
                Durante a entrevista, perguntou-se também como é o clima de São Pedro de Joselândia e mais de 80% das afirmações é que o clima de São Pedro de Joselândia é quente. E para outros é fresco sendo agradável para todos. Perguntou-se  também se eles ouviram comentários se o clima de São Pedro de Joselândia  tinha mudado e a maior parte das repostas se referia que sim, os alunos entrevistados perceberam uma mudança no clima da comunidade. Para mais de 50% são Pedro era mais frio, e chovia mais e o que chamou a atenção é que seis entrevistados não souberam dizer se o clima mudou. Apontando o que Tuan nos afirma que “compreender o que as pessoas sentem sobre espaço e lugar, considerar as diferentes maneiras de experenciar (sensório-motora, tátil, visual, conceitual) e interpretar o espaço e lugar como imagens de sentimentos complexos.”  (TUAN,1983. p. 7)
                Quando indagou-se aos alunos como eles imaginariam São Pedro de Joselândia se diminuísse a água nos rios e não tivesse cheia, se faltasse agua nas casas, vários afirmaram que seria impossível viver mas a maior parte afirmou que acabaria a natureza e seria muito ruim e muito triste.
                A pesquisa continuou caminhando frente aos aspectos da pegada ecológica e perguntou-se aos alunos se eles achavam que se comia muita carne em São Pedro de Joselândia e 24 dos 27 entrevistados disse que sim. E outro ponto abordado se referia a diminuição do consumo de carne e a maior parte dos entrevistados disse poderia diminuir o consumo de carne por causa dos problemas de saúde que o excesso de carne provoca, poderiam aumentar o consumo de peixe, mas salientaram também que para diminuir o consumo de carne deve-se diminuir a produção de gado, forte atividade econômica da comunidade.
                A produção de carne no estado de Mato Grosso preocupa com consta no documento  “Mato Grosso em Número 2013” lançado pela Secretaria de Planejamento do estado de Mato Grosso – SEPLAN.
Em 2012, o Estado foi responsável por 16,18% do abate de bovinos do país. O aumento no número de confinamentos, melhoria de pastagens, maiores  áreas para a agricultura e melhoria do manejo  reprodutivo e alimentar são  fatores  responsáveis pelo crescimento da atividade no Estado (IMEA-2013).  Essas melhorias tecnológicas tem seu reflexo no setor industrial, onde os frigoríficos  vem aumentando tanto a  sua  capacidade de abate como também  a  industrialização e exportação da carne bovina.


                Ao se deparar com esta realidade a pesquisa buscou compreender como as mudanças climáticas são sentidas pelas populações tradicionais através de entrevistas com os alunos e continuara a investigar tal temática com os professores e também com os idosos.

Referências Bibliográficas
BORBA, Mônica Pilz . Pegada ecológica: que marcas queremos deixar no planeta?  Brasília: WWF-Brasil, 2007.
SEPLAN – Secretaria de Planejamento do Estado. Mato Grosso em Números 2013. Edição 2013. Cuiabá. 2013.
TUAN, Yi-Fu. Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: Difel, 1983.
TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.
TUAN, Yi-Fu A Geografia Humanística. In: CHRISTOFOLETTI, A. (Org.). Perspectivas da Geografia. São Paulo: Difel, 1982. Cap. 7, p. 143-164.
TUAN, Yi-Fu Paisagens do medo. São Paulo: Unesp, 2006.


Post a Comment