Os últimos quatro anos foram os mais quentes já registrados – e o CO2 continua a subir

http://www.ihu.unisinos.br/585892-os-ultimos-quatro-anos-foram-os-mais-quentes-ja-registrados-e-o-co2-continua-a-subir

Os últimos quatro anos foram os mais quentes já registrados – e o CO2 continua a subir


Dados mostram que 2018 foi o quarto de uma série de anos excepcionalmente quentes e as concentrações atmosféricas de CO2 continuaram a subir.

A informação é de Silke Zollinger, publicada por Copernicus Communication – Centro Europeu de Previsão do Tempo a Médio Prazo, e reproduzida por EcoDebate, 08-01-2019. A tradução e edição são de Henrique Cortez.


Temperatura do ar a uma altura de dois metros para 2018, mostrada em relação à sua média de 1981 a 2010. (Fonte: Copernicus Climate Change Service, ECMWF)
Dados divulgados pelo Copernicus Climate Change Service (C3S) mostram que 2018 foi o quarto de uma série de anos excepcionalmente quentes e junto com o Copernicus Atmosphere Monitoring Service (CAMS), o C3S relata que as concentrações atmosféricas de CO2 continuaram a subir.
O C3S e o CAMS são serviços do programa de observação da Terra da União Europeia, Copernicus, e são implementados pelo ECMWF. Seus dados fornecem a primeira imagem completa e global das temperaturas de 2018 e níveis de CO2. Os resultados estão de acordo com projeções anteriores da WMO e do Global Carbon Project (GCP) para 2018. O conjunto de dados de temperatura do Copernicus Climate Change Service mostra que a temperatura média global do ar na superfície foi 14,7°C, 0,2°C menor que em 2016, o ano mais quente registrado. Os dados revelam que:
  • Os últimos quatro anos foram os quatro mais quentes já registrados, sendo 2018 o quarto mais quente, não muito abaixo da temperatura do terceiro ano mais quente de 2015.
  • 2018 foi mais de 0,4°C mais quente que a média de 1981-2010.
  • A temperatura média dos últimos 5 anos foi 1,1°C acima da média pré-industrial (definida pelo IPCC).
  • A Europa viu temperaturas anuais inferiores a 0,1°C abaixo dos dois anos mais quentes registrados, 2014 e 2015.
Além disso, de acordo com medições por satélite das concentrações globais de CO2 na atmosfera: O CO2 continuou a subir em 2018 e aumentou em 2,5 +/- 0,8 ppm/ano.
“O Copernicus Climate Change Service fornece dados de qualidade assegurados de indicadores climáticos como temperatura da superfície, cobertura de gelo marinho e variáveis hidrológicas como a precipitação”, diz Jean-Noël Thépaut, Chefe do Serviço Copernicus Climate Change (C3S). “Em 2018, voltamos a ver um ano muito quente, o quarto mais quente já registrado. Eventos climáticos dramáticos como o verão quente e seco em grandes partes da Europa ou o aumento da temperatura nas regiões árticas são sinais alarmantes para todos nós. Somente combinando nossos esforços, podemos fazer a diferença e preservar nosso planeta para as gerações futuras”.

C3S fornece uma imagem antecipada das temperaturas globais de 2018

Os dados de temperatura do C3S para 2018 são o primeiro conjunto completo a ser publicado, incluindo anomalias anuais e campos com média global. O C3S pode fornecer a imagem global tão rapidamente porque é um programa operacional, processando diariamente milhões de observações terrestres, marítimas, aéreas e de satélite. Um modelo matemático é usado para reunir todas essas observações, de forma semelhante ao que é feito na previsão do tempo. O benefício para os usuários dos dados é que eles têm uma estimativa precisa das temperaturas a qualquer hora ou lugar que escolherem – mesmo em áreas pouco observadas, como as regiões polares.
Os dados do Copernicus C3S mostram que as temperaturas superficiais de 2018 foram mais de 0,4°C mais altas do que a média de longo prazo registrada no período de 1981-2010. O aquecimento mais pronunciado em comparação com a média de longo prazo ocorreu no Ártico, em particular no norte e no estreito de Bering entre EUA e Rússia e em torno do arquipélago de Svalbard. A maioria das áreas terrestres era mais quente que a média, especialmente na Europa, no Oriente Médio e no oeste dos EUA. Em contraste, o nordeste da América do Norte e algumas áreas centrais da Rússia e da Ásia Central experimentaram temperaturas anuais abaixo da média.
Além de um relativamente frio fevereiro e março, a Europa viu temperaturas acima da média durante todos os meses do ano. Começando no final da primavera e continuando até o outono, e em alguns lugares até mesmo no inverno, o norte e o centro da Europa vivenciaram condições climáticas que eram persistentemente mais quentes e mais secas do que a média.

Uma visão confiável de conjuntos de dados combinados

O método usado para o conjunto de dados de temperatura do C3S complementa o de outros conjuntos de dados que usam medições baseadas no solo durante um período de longo prazo. Os conjuntos de dados diferem principalmente em como eles representam as regiões polares e as temperaturas nos oceanos. A combinação de conjuntos de dados fornece a imagem mais completa possível. Esta análise mostra que a temperatura do ar na superfície global aumentou em média 0,1°C a cada cinco a seis anos desde meados da década de 1970 e que os últimos cinco anos foram aproximadamente 1,1°C acima das temperaturas da era pré-industrial.
A OMM combinará os diferentes tipos de conjuntos de dados de temperatura para a sua declaração sobre o estado do clima em 2018. Esta declaração será divulgada em março de 2019 e espera-se que confirme as conclusões do C3S.

As concentrações de CO2 continuam a aumentar

A análise de dados de satélite indica que as concentrações de dióxido de carbono continuaram a subir nos últimos anos, inclusive em 2018. O conjunto de dados é uma combinação de dois conjuntos de dados que foram gerados para C3S e CAMS.
Embora os relatórios da OMM e do Global Carbon Project (GCP) sejam baseados em observações de superfície, esse conjunto de dados de CO2 fornecido pela Copernicus é baseado em observações de satélite. A quantidade monitorada é a concentração média de CO2 para toda a coluna de ar acima de um determinado local, chamada XCO2 . Como camadas atmosféricas mais altas, como a estratosfera, normalmente contêm menos CO2, os valores de XCO2 são geralmente um pouco menores do que as concentrações de CO2 medidas perto da superfície da Terra. É por isso que os valores dos satélites XCO2 são similares, mas não exatamente idênticos às estimativas baseadas em observações de superfície.
A taxa de crescimento média anual estimada do XCO2 para 2018 é de 2,5 +/- 0,8 ppm/ano. Isso é maior do que a taxa de crescimento em 2017, que foi de 2,1 +/- 0,5 ppm/ano, mas menor que a de 3,0 +/- 0,4 ppm/ano em 2015. 2015 foi um ano com um forte evento climático El Niño, que resultou em uma absorção mais fraca do que o normal do CO2 atmosférico pela vegetação terrestre e grandes emissões de CO2 de incêndios florestais, por exemplo, na Indonésia.

Sobre os dados – Temperaturas

O mapa e os valores de dados citados são do conjunto de dados ERA-Interim do ECMWF Copernicus Climate Change Service. O gráfico é baseado no ERA-Interim e em outros quatro conjuntos de dados: JRA-55 produzido pela Agência Meteorológica do Japão (JMA), GISTEMP produzido pela NASA (National Aeronautics and Space Administration), HadCRUT4 produzido pelo Met Office Hadley Center em colaboração com a Unidade de Pesquisa Climática da Universidade de East Anglia, e NOAAGlobalTemp produzido pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA). Os conjuntos de dados ERA-Interim e JRA-55 são executados até o final de 2018; os outros conjuntos de dados estão atualmente disponíveis apenas até o final de novembro de 2018. Os dados foram acessados e processados conforme descrito em uma publicação revisada por pares (doi:10.1002/qj.2949).
Cada conjunto de dados mostrado no gráfico é alinhado para ter a mesma temperatura média para 1981–2010 que o ERA-Interim. Para o JRA-55 isto implica uma redução de temperatura de 0,1°C. Os outros conjuntos de dados são originalmente definidos apenas como valores relativos a períodos de referência. O HadCRUT4 é um conjunto de 100 realizações possíveis. A mediana e o alcance do conjunto são plotados. O conjunto não mostra a incerteza associada à cobertura geográfica limitada, que é substancial nas primeiras décadas.
1981-2010 é o mais recente período de referência de 30 anos definido pela OMM para calcular as médias climatológicas. É o primeiro período para o qual as observações por satélite de variáveis-chave, incluindo temperatura da superfície do mar e cobertura de gelo marinho, estão disponíveis para suportar reanálises meteorológicas globalmente completas, como a ERA-Interim.
A temperatura média climatológica para o período pré-industrial é de 0,63°C abaixo da média de 1981-2010. Isto segue o que é sugerido no relatório do IPCCAquecimento Global de 1.5°C”, que estima que o aumento do período pré-industrial (definido como 1850-1900) para o período de 20 anos de 1986-2005 seja de “0,63°C ( ± 0,06°C intervalo de 5 a 95% baseado apenas em incertezas observacionais)”. A diferença de temperatura média anual entre os períodos 1981-2010 e 1986-2005 não é significativa para todos os conjuntos de dados apresentados aqui (-0,009°C a + 0,004°C).

Sobre os dados – Concentrações de dióxido de carbono

Apresentamos uma série temporal de médias globais mensais de dióxido de carbono atmosférico (CO2) derivado de sensores de satélite. Derivadas de satélite CO2 concentrações são representativos da média em coluna de CO2 proporção de mistura, também denotado XCO2. As médias anuais dadas no gráfico são derivadas calculando a média dos valores mensais.
Os dados para 2003-2017 são o produto consolidado de “dados C3S XCO2 derivados de sensores de satélite”, produzidos pelo Copernicus Climate Change Service. O registro de dados climáticos C3S de alta qualidade foi gerado pela fusão de um conjunto de conjuntos de dados de satélite individuais dos instrumentos de satélite SCIAMACHY / ENVISAT e TANSO-FTS / GOSAT, usando produtos gerados pela C3S e ESA GHG-CCI na Europa, NASA nos EUA e NIES no Japão. Este produto mesclado, que está disponível no formato Obs4MIPs (veja o site Obs4MIPs), é estendido a cada ano por um ano adicional e os dados do ano de 2018 estarão disponíveis no final de 2019 Para detalhes, ver Buchwitz et al., 2018 ( aqui e  aqui).
Os dados para 2018 são o produto preliminar em tempo quase real dos “ dados CAMS XCO2 derivados de sensores de satélite”, produzidos pelo Copernicus Atmosphere Monitoring Service. Este produto de dados foi gerado a partir de TANSO-FTS / GOSAT. Para detalhes, ver Heymann et al., 2015 (aqui).
As médias anuais das taxas de crescimento do XCO2 foram calculadas usando o método de Buchwitz et al., 2018 (aqui).

Leia mais

Post a Comment

Popular posts from this blog

Arquivo Kronos

Livros do Paulo Freire em PDF

Schumacher's Small Is Beautiful